Hamilton vence e não foi só por sorte, mas por competência dele e do time - Crédito formula1.com

Hamilton vence e não foi só por sorte, mas por competência dele e do time – (Crédito formula1.com)

 

O tricampeão mundial Lewis Hamilton venceu o Grande Prêmio do Canadá domingo (12) e reduziu a liderança do companheiro de Mercedes Nico Rosberg para nove pontos. Rosberg, vencedor das quatro corridas de abertura da temporada de Fórmula 1, terminou em quinto. Sebastian Vettel, da Ferrari, ficou em segundo, com finlandês da Williams Valtteri Bottas, em terceiro. Max Verstappen, Nico Rosberg, Kimi Räikkönen, Daniel Ricciardo, Nico Hülkenberg, Carlos Sainz Jr e Sergio Pérez completaram o Top-10.

 

Vettel fez uma largada perfeita, ganhou a ponta na disputa entre Hamilton e Rosberg, que rodou e caiu para nono - Getty Images

Vettel fez uma largada perfeita, ganhou a ponta na disputa entre os mercedianos quem rodou foi Rosberg – Getty Images

 

O sucesso do inglês no Canadá teve a ajuda, de novo de ouro time, desta vez por erro da Ferrari ao chamar Sebastian Vettel para uma troca a mais de pneus, enquanto a maioria das equipes optou por apenas uma. A ajudinha anterior aconteceu há duas semanas, em Mônaco, quando a Red Bull cometeu um erro durante a troca de pneus de Daniel Ricciardo e deu de bandeja a vitória ao inglês. Dizer neste momento que Hamilton é favorito ao título pode parecer prognóstico precipitado, mas que ele reúne condições para tal é inegável.

 

Rosberg negocia a renovação de seu contrato com a Mercedes, através de Gerhard Berger, e esse pode ser um dos motivos de suas fracas atuações nos últimos dois grandes prêmios, enquanto Hamilton vem sobrando na pista, ora, segundo ele, pelas mãos do Criador, ora pela sua competência e equilíbrio para reverter a falta de sorte que o acompanhou até as ruas do Principado e reduzir, gradativamente, a desvantagem de pontos para seu único rival, seu companheiro de time.

 

 

No Circuito Gilles Villeneuve, a estrela de Hamilton começou brilhar no sábado, quando ele conquistou a pole-position e colocou pressão em cima de Rosberg que sentiu que precisaria reagir, só que errou não uma mais duas vezes, e se comportou na pista como um estreante. A dupla da Mercedes não fez boa largada e foi ultrapassada por Sebastian Vettel e se enroscou na primeira curva. Rosberg rodou e caiu para a nona posição. Nas duas voltas finais outro erro, desta vez na disputa pela quarta posição com o rapidíssimo holandês Max Vertappen, da Red Bull. Rosberg não bateu. Fez uso da abertura da asa móvel para concluir a manobra de ultrapassagem, mas errou o ponto de freada e rodou de novo. O resultado só não foi pior por ele estar ter sobra sobre Räikkönen. Mas no campeonato, a diferença que o separa de Hamilton pode ser perturbadora.

 

Rosberg ultrapassa Versttapen, perde ponto de freada e roda Pela segunda vez - (Crédito: formula1.com)

Rosberg ultrapassa Versttapen, perde ponto de freada e roda. Pela segunda vez – (Crédito: formula1.com)

 

A história de amor do inglês com o Circuito Gilles Villeneuve, onde conquistou sua primeira pole na Fórmula 1, em 2007, ainda não terminou. Mais vitorioso do que o inglês só o heptacampeão mundial Michael Schumacher com sete triunfos. Os números mostram fato é que agora Hamilton entrou de vez na busca de seu quarto título. Contribuiu para o sucesso do inglês no Canadá o erro de estratégia de parada nos boxes da Ferrari ao apostar em duas paradas, uma na 11ª e outra na 37ª volta, enquanto a Mercedes optou apenas por uma.

 

Uma parada a mais arrancou de Vettel uma possível vitória - Sutton Images

Uma parada a mais arrancou de Vettel uma possível vitória – Sutton Images

 

O erro foi creditado na conta do chefão da equipe de Maranello, Maurizio Arrivabene, que no começo da temporada afirmou que estaria na luta pelo título contra a Mercedes. “Nós superestimamos o desgaste dos pneus. Este foi o motivo pelo qual chamamos Vettel para os boxes. Foi uma decisão errada. Hoje cometemos um erro”, reconheceu Arrivabene. Entretanto, no pódio, Vettel não demostrou decepção, mas também não estampou seu peculiar sorriso e nem rifou a equipe, apenas se conteve nas palavras.

 

Na prática, o erro tirou a vitória do tetracampeão pela Red Bull Sebastian Vettel, que se aproveitou do vacilo da dupla da Mercedes, que se enroscou logo na primeira curva e tomou a ponta logo na largada. Seba só não ampliou sua vantagem sobre Hamilton porque cometeu um erro de cálculo, freou mais tarde e teve de cortar uma curva. Fora isso, a Ferrari tinha condições sim, de estabelecer uma disputa interessante na parte final da prova com a Mercedes do inglês.

 

A Fórmula 1 se reúne novamente no próximo domingo (19) para a disputa do GP da Europa, pela primeira vez nas ruas de Baku, capital do Azerbaijão.

 

Veja abaixo o resultado da etapa do Canadá:

 

(Crédito: formula1.com)

(Crédito: formula1.com)

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja como está o Mundial de Pilotos:

 

(Crédito: formula1.com)

(Crédito: formula1.com)

 

Massa desconvers sobre acordo com a Renault - Reprodução

Massa desconvers sobre acordo com a Renault – Reprodução

Situação dos Felipes – Uma possível saída de Felipe Massa da Williams para defender as cores da Renault no próximo ano começa a circular nos bastidores da Fórmula 1. Porém, como era de se esperar, tanto o piloto quanto a equipe não confirmam nada. Respostas evasivas suscitam considerações. O veterano de 35 anos e com 13 temporadas na categoria tem contrato com a Williams até o final deste ano, e pelo menos por enquanto não há sinais nem de sim e nem que não que ele continuará a defender o time de Grove. O piloto afirma ainda ter disposição de permanecer na categoria desde que esteja numa equipe competitiva. Isso não é nenhuma novidade. Mas correr por quem?

 

No momento, Jenson  Button e Daniil Kvyat são os fiéis da balança no mercado de piltotos - (Crédito: formula1.com)

No momento, Jenson Button e Daniil Kvyat são os fiéis da balança no mercado de piltotos – (Crédito: formula1.com)

 

Durante o final de semana do GP de Mônaco surgiu o boato de que Massa estaria negociando com a Renault, time de fábrica, que em seu retorno ainda disse a que veio, ocupa a desconfortável nona posição entre os Construtores com seis pontos contra 66 de sua principal cliente, a Red Bull, terceira colocada com 66 pontos. Não duvide que a marca francesa vá reagir, talvez não nesta temporada. Sim, ela vai. E tem em seu currículo vários títulos, dois com Fernando Alonso, ainda como equipe oficial com Flávio Briatore no comando, e quatro consecutivos com Sebastian Vettel na parceria com a Red Bull.

 

Se observarmos pelos resultados, o brasileiro pontuou em todas as etapas, ocupa a sétima posição na tabela geral com 37 pontos, um a mais que seu companheiro de equipe Valtteri Bottas e um a menos que o jovem holandês Max Versttapen, que após estrear no time principal, a Red Bull, venceu na Espanha. A favor de Massa, em uma possível contratação pela Renault, conta sua experiência em times grandes. Para a montadora, cuja operação no Brasil é forte (uma das cinco praças mais fortes do mundo, apesar da crise) e está ampliando sua participação no mercado nacional, ter um piloto local defendendo suas cores poderia, por que não, ser uma ferramenta de marketing a mais para alavancar as vendas da marca no mercado interno, atualmente de retração.

 

Segundo relatório da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), divulgado dia 1º, até maio do ano corrente foram emplacados 811,8 mil unidades, uma retração de 26,6% se comparada com o mesmo período do ano passado, e mesmo com uma possível, porém lenta e gradual recuperação da economia brasileira o mercado dificilmente ultrapassará a marca de dois milhões de unidades negociadas.

 

A Renault do Brasil nega qualquer entendimento com Massa, mas... - Reprodução

A Renault do Brasil nega qualquer entendimento com Massa, mas… – Reprodução

No ranking de marcas, a Renault ocupa a oitava posição com 7,24% de participação no mercado. Por que estou usando esses dados? A resposta é simples. Quem tem bala na agulha vai investir pesado para atrair consumidores cada vez mais seletivos em relação a investimentos, como um automóvel. Ter Massa como garoto-propaganda, portanto, não é uma hipótese a ser descartada. Apesar de o piloto não ter conquistado títulos na Fórmula 1 ele é uma figura simpática ao torcedor/consumidor, e esse fator pode alavancar as vendas.

 

Caso Massa deixe a Williams, que possivelmente contrate Kvyat que traria uma tonelada de dinheiro russo, a Renault pode ser sua próxima parada - (Crédito: formula1.com)

Vaga na Williams poderá ser ocupada por Button  ou  Kvyat , por injetar dinheiro – (Crédito: formula1.com)

 

Para não ficar apenas no campo arenoso da especulação, liguei para a assessoria de Imprensa da Renault do Brasil para saber mais sobre as tratativas com Felipe Massa, que afirmou não saber nada a respeito do assunto, pelo menos por enquanto, o que é absolutamente natural. As negociações, porém, elas podem estar ocorrendo diretamente na sede da marca, na França. Tentei contato, também, com Felipinho, filho de Massa, craque em antecipar resultados das provas, mas não obtive resposta até o fechamento desta edição. Brincadeira a parte, por enquanto, na Williams,  Jenson Button está bem cotado e é o fiel da balança para formação do grid em 2017. Daniil Kvyat, rebaixado na Red Bull, também está no páreo. Isto porque levaria para equipe de Sir Frank Williams um bom aporte de dinheiro russo, tudo isso segundo a rádio Paddock. 

 

Hoje, sem desmerecer seu passado, Massa pode ser considerado um investimento de baixo para a Renault. Se contratado e voltar a vencer, será uma aposta acertada. Teoricamente, Massa deixará de ser piloto pagante e poderá se incorporado a da folha de pagamento da marca francesa por uma, talvez duas temporadas, já que numa Fórmula 1 cada vez mais negócio do que esporte, o que interessa é a relação custo x benefício.

 

Felipe Nasr está negociando com duas equipes, mas não diz nomes, e quem sabe a Renault não se interesse em ter dois brasileiros - (Crédito: formula1.com)

Descontente na Sauber, Nasr  negocia com duas equipes,. Não seria uma delas a Renault? – (Crédito: formula1.com)

 

Também não se pode afastar a hipótese da marca estar interessada em contratar outro Felipe, o Nasr, piloto mais jovem com bom potencial de desenvolvimento e acumula conhecimento como piloto reserva na Williams e desde o ano passado titular da anêmica Sauber. Após uma estreia consistente, no ano passado o brasiliense está comendo pão que o diabo amassou com o rabo na Sauber e, quem sabe, pode pleitear um brioche. É esperar para ver.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...