Sem pressão de Hamilton, Vettel abre 25 pontos de vantagem no campeonato - Sutton Images

Sem pressão de Hamilton, Vettel abre 25 pontos de vantagem no campeonato – Sutton Images

 

Mais uma corrida decidida nas paradas para troca de pneus. Foi assim que Sebastian Vettel, da Ferrari, venceu o Grande Prêmio de Mônaco, disputado domingo (28). É bem verdade que a equipe privilegiou a estratégia de parada para troca de pneus e nem precisou mandar mensagem para Kimi Räikkönen, que terminou a etapa em segundo, para abrir passagem para o líder do certame. O top 3 teve Daniel Ricciardo, da Red Bull. A Ferrari comemorou a dobradinha, que não acontecia desde 2010, quando Felipe Massa, então companheiro de Fenando Alonso, recebeu a ridícula mensagem do time Fernando is so faster than you (Fernando é mais rápido que você, em português, e teve de ceder a posição.

 

A corrida que começou pouca emoção até a abertura da janela para troca de pneus, mas ganhou contorno de competição a partir do grave incidente na 60ª volta, envolvendo a McLaren Jenson Button e a Sauber do alemão Pascal Wehrlein, que foi catapultada contra o muro de proteção, onde ficou em ângulo de 90º em relação ao asfalto (veja vídeo abaixo – Crédito: revolbrand). Os pilotos nada sofreram. Ainda bem. Por causa disso, o carro de segurança foi acionado, ficou cinco voltas na pista e provocou a redução das diferenças de tempo entre os carros.

 

 

 

Perez colide com Danyil, quase é ultrapassado por Massa, e bate recorde - Reprodução/Twitter

Perez colide com Danyil, quase é ultrapassado por Massa, é punido, mas bate recorde – Reprodução/Twitter

 

Com pista liberada, Vettel desceu a sapatilha e conseguiu manter a ponta da corrida, tendo Räikkönen no seu encalço, mas sem muita pressão. Mais atrás, Valtteri Bottas, encaixotado entre duas Red Bull, com Daniel Ricciardo, terceiro, e Max Verstappen, que até tentou dar o pulo do gato sobre o finlandês, mas não conseguiu. Quem podia ter feito apresentação de gala era Lewis Hamilton, segundo colocado na tabela de pontos, isto é, se sua Mercedes correspondesse. Largando da 13ª posição, o inglês fez o que pode com um carro longe de ser imbatível nas últimas temporadas. Terminar em sétimo, atrás de Carlos Sainz, da Toro Rosso, pode ser considerado um bom resultado, pois está a 25 pontos do líder Vettel.

 

Na relargada, Bottas ficou entre Ricciardo e Verstappen - Reprodução/Twitter

Na relargada, Bottas ficou entre Ricciardo e Verstappen – Reprodução/Twitter

 

Completou o Top 10 Romain Grosjean, da Haas, Felipe Massa, da Williams, e Kevin Magnussen, da Haas, respectivamente. A Williams apesar dos caminhões de dinheiro que o pai de Lance Stroll descarrega na equipe do companheiro de Massa ela parece não avançar. O brasileiro foi cerebral. Sabia que não podia fazer muita coisa, então esperou, corretamente, quem ia a sua frente quebrar, bater ou abandonar para somar uns pontos, enquanto seu atabalhoado colega de Williams não estampou o muro e terminou a prova na 14ª posição.

 

A Fórmula volta a se reunir dia 11 de junho para a disputa do GP do Canadá.

 

A expressão de Räikkönen no pódio deixa clara sua indignação - Sutton Images

A expressão de Räikkönen no pódio deixa clara sua indignação – Sutton Images

 

 

Veja abaixo o resultado do GP de Mônaco:

 

(Crédito: formula1.com)

(Crédito: formula1.com)

 

Veja abaixo a tabela de pontos do Mundial de Pilotos:

 

(Crédito: formula1.com)

(Crédito: formula1.com)

 

Veja abaixo a tabela de pontos do Mundial de Construtores:

 

(Crédito: formula1.com)

(Crédito: formula1.com)