São Paulo está vivendo um movimento em prol do uso da bicicleta. A iniciativa é extraordinária não fosse o risco que representa não pelo veículo, que proporciona ao mesmo tempo exercício físico e mobilidade limpa, mas pela falta de sintonia fina entre os demais condutores. A prefeitura disponibiliza aos finais de semana, no horário entre 7 horas e 16 horas, uma ciclovia montada pelo CET (Centro de Engenharia de Tráfego) destinada ao lazer. Até aí tudo ótimo, tudo muito organizado e quase todos os ciclistas cumprem as regras. Porém, no dia a dia a situação se complica e o saldo de acidentes é tão assustador quanto os envolvendo motocicletas. A capital registra ao menos duas mortes de motociclistas por dia fora aqueles que ficam com sequelas de incidentes pelo resto da vida. É inevitável perguntar, portanto: será que a cidade está preparada para conviver harmoniosamente com tantos tipos de transportes?     Pela capital paulista transita uma frota de sete Continue lendo [...]