Caterham CT05 - RICARDO RIBAS Skip to content

RICARDO RIBAS

Jornalismo feito por jornalista

Archive

Tag: Caterham CT05
O primeiro dia da segunda rodada de treinos da pré-temporada da Fórmula 1 começou preguiçoso por causa do atraso dos fiscais de pista no circuito de Sakhir, no Bahrein, mas terminou com o novato Kevin Magnussen (McLaren-Mercedes) no topo da tabela de tempos com a melhor volta em 1min39s224, 0s240 mais rápido que Lewis Hamilton (Mercedes), que, ao que tudo indica, girou interessado em conferir a confiabilidade do W05. Nico Hülkenberg (Force India-Mercedes) fechou o Top-3 com o tempo de 1min39s923, demostrando que quem é empurrado por motores germânicos está, em tese, com ligeira vantagem.   A manhã em Sakhir começou um atraso de 30 minutos por causa de uma confusão para definir o número de fiscais na pista. A situação foi contornada e os carros foram para a pista, menos os da atual campeã mundial Red Bull e da coirmã Toro Rosso, como no início do mês em Jerez de la Frontera, na Espanha. O brasileiro Felipe Massa, responsável pelos testes com a Williams nesta quarta, Continue lendo [...]
Se os roncos dos motores não chegam a emocionar, a nova Fórmula 1, repaginada nos três dias de testes da pré-temporada, pelo menos por enquanto, fica no meio termo entre decepção e frustração completa. A perda de dois cilindros – a “nova” F1 agora é obrigada, por regulamento a usar motor V6 turbo – trocou a gritaria afinada de barítonos e tenores por baixos sopranos castratis com eventuais estribilhos, mas sem jamais alcançar oitavas, como há 25 anos, quando esse tipo de propulsores brindava os torcedores com pancadas no peito e sensacionais línguas de fogo, além de alcançarem insanos 1.300 cavalos de potência. Isso é passado. Os roncos agora são abafados, com se tivessem colocado travesseiros nos escapamentos. Ficou sem graça!   Nos testes de Jerez de la Frontera, as equipes mostraram carros no mínimo esquisitos, de novo, por força de um regulamento restritivo dentro de uma categoria por onde passa rios de dinheiro. Um erro? Talvez sim, talvez não. A Continue lendo [...]