Skip to content

RICARDO RIBAS

Jornalismo feito por jornalista

Archive

Tag: Bernie Ecclestone
A perda de 50 milhões de telespectadores, aparentemente, não faz Bernie Ecclestone, presidente da FOM (Formula One Management), a empresa que detém os direitos comerciais e de imagem da F1, que nem pensa em voltar os olhos aos novos meios de comunicação, particularmente os alojados na internet. A queda vertical de audiência mundial da F1 na TV na temporada 2013 está no relatório anual de audiência global da FOM. Será cegueira ou medo do novo?   Alegar que Ecclestone é tapado ou que o peso de seus 83 anos o impedem de ver o mundo novo é duvidoso. Porém, fazer vista de moco e achar que a F1 se encerra em si mesma e acreditar que ela continuará a ser um produto que se vende sozinho está errado. O sinal amarelo está piscando, caso contrário as emissoras de televisão e países sede não estariam dando voltas para encontrarem patrocinadores dispostos a colocar dinheiro bom e grande em produto, no mínimo, claudicante. Portanto, merece atenção.   É bem verdade que Continue lendo [...]
A reforma do autódromo de Interlagos, em São Paulo, começará a passar por reformas no meio deste ano para se adequar às exigências da Fórmula 1, mas não como havia sido acertada por contrato com a FOM (Formula One Management), empresa responsável pelos direitos da categoria máxima do automobilismo. A proposta era de construção de novos boxes e paddock na reta Oposta, onde seria, também, o ponto de largada. A intervenção, porém, foi descartada pela administração Fernando Haddad (PT-SP), prefeito municipal de São Paulo. Ficou o dito pelo não dito.   Segundo a organização do GP do Brasil, o paddock, os boxes e o ponto de largada serão mantidos na localização atual e não vão mais para a reta Oposta, como previsto anteriormente, e que foi alvo de reclamação recorrente da F1 pelo espaço reduzido. O custo total da reforma, estimado em R$ 160 milhões, valor está garantido pelo Ministério do Turismo, dentro de um pacote que envolve um total de R$ 260 milhões, Continue lendo [...]
A súbita e surpreendente evolução do RB10 de Daniel Ricciardo, da Red Bull, que durante dos testes da pré-temporada era um saco de problemas, ao conquistar a segunda colocação no GP da Austrália, e depois desclassificada, teve, para muitos, um sotaque de desonestidade. O fluxômetro, aprovado pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo) apresentou problemas de variação, que, pelo regulamento, deve controlar a injeção de combustível no limite de 100 kg/h. Sinceramente, eu discordo. Se os sensores do fluxômetro apresentaram disparidades, fora substituído, e mais tarde recolocado nos carros da equipe rubro-taurina, erraram todos, e manchou ainda mais a imagem desgastada da F1.   Os comissários avisaram a equipe sobre o problema e exigiram que ela controlasse o dispositivo. Mas como, se o mesmo apresentava variação de comportamento? No meu entender, se os fluxômetros dos carros de Ricciardo e do tetracampeão Sebastian Vettel estavam bichados, o correto seria Continue lendo [...]
A empresa alemã de autopeças Capricorn anunciou a aquisição de Nürburgring por € 100 milhões (cerca de R$ 300 milhões) através de um comunicado. A empresa, sediada em Düsseldorf, que também atua no setor aeronáutico, informou que vai se tornar oficialmente a proprietária das instalações de 1º de janeiro de 2015 e mudará o nome da pista para Capricorn Nürburgring. Até lá, irá decorrer o habitual processo de validação da venda pela Comissão Europeia, a quem cumpre certificar e assegurar que todo o processo de venda e aquisição obedeceu a critérios de transparência e sustentabilidade futura.   O futuro de Nürburgring, que abrigou um parque apelidado de NüroDisney, está portanto salvo da insolvência, que se deu em função dos custos das obras a levaram à falência, e o Parlamento Europeu proibiu o governo estadual de fazer novos investimentos no circuito. Bem que o autódromo de Interlagos poderia ter o mesmo tratamento. Ou seja, sair das mãos da iniciativa Continue lendo [...]
Era uma questão de tempo e a hora chegou. Bernie Ecclestone foi afastado do comando da principal categoria do automobilismo mundial, a F1, por causa das acusações de suborno que enfrenta na Justiça alemã A saída de Ecclestone do conselho de diretores da F-1 foi anunciada quinta-feira (16) pela CVC, acionista majoritária da categoria. O dirigente, que atuou no mais alto comando por 40 anos, deve manter o cargo que ocupa, mas "sob monitoramento".   De acordo com o comunicado da CVC, Ecclestone "vai deixar o cargo de diretor, abandonar seus deveres e responsabilidades no conselho até que o caso seja resolvido". Entretanto, a empresa informou que o dirigente "assegurou que é inocente das acusações e pretende se defender vigorosamente no caso". Ora, só um imbecil assume publicamente que cometeu e Bernie, que de bobo não tem nada, continuará afirmando que foi vítima, réu, jamais.   Ecclestone, é necessário dizer, transformou o esporte a motor em um mega empreendimento Continue lendo [...]
Tem coisas que a gente precisa de algum ou muito tempo para digerir antes de engolir. As mudanças para a próxima temporada do Mundial de F1 aprovadas pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo), segunda-feira (9), é bem isso. A entidade maior do automobilismo mundial aprovou e anunciou que o piloto vencedor da última corrida da temporada receberá o dobro de ponto. Ou seja, em vez de 25 ele levará 50 pontos. Fica a pergunta: para que isso se equipes e pilotos correm todas as provas em, teoricamente, pé de igualdade? Se essa for mais uma medida paliativa para melhorar a audiência será uma besteira sem nome. A F1 há tempos deixou de ser esporte. Ela é, sim, um negócio megamilionário cujos participantes (leia-se: equipes, FIA, FOM, pilotos e patrocinadores) estão mais interessados em aparecer do que fomentar o esporte a motor propriamente dito.   Dessa forma, o GP de Abu Dhabi de 2014, que acontece em 23 de novembro e encerrará a temporada, valerá o dobro das Continue lendo [...]
Samba do crioulo doido. É assim que se podem definir as reformas a ser executadas no Autódromo José Carlos Pace, em Interlagos. A FOM (Formula One Management), detentora dos direitos comerciais da F1, fez uma série de exigências para manter uma etapa da categoria no calendário até 2020. As negociações entre a prefeitura de São Paulo e Bernie Ecclestone, presidente da FOM, começaram no ano passado na gestão ex-prefeito Gilberto Kassab e continuaram na atual com o petista Fernando Haddad.   Só que houve uma reestruturação de custos. Originalmente, as obras estavam orçadas em RS$ 400 milhões e caiu para R$ 130 milhões. Ou seja, uma diferença financeira de algo em torno de 52%. Mágica não é. Alguma coisa ficará só no papel ou, na melhor das hipóteses, no discurso do “prefeito das faixas exclusivas de ônibus”. O contrato em vigor vence em 2014.   A diminuição do valor é parcialmente explicada pelo fato de uma melhora na aparência do entorno do autódromo Continue lendo [...]
  O piloto Felipe Massa anunciou segunda-feira (11) que fechou acordo com a equipe Williams para as próximas três temporadas. A divulgação do contrato não chega a ser uma novidade. Após ser demitido da Ferrari, em setembro, Massa negociou com várias equipes, entre elas a McLaren, a Lotus e a Williams. Porém, por imposição do próprio piloto, ele quer pilotar um carro que lhe ofereça condições de vencer sem ter de pagar pelo cockpit. Evidentemente que o histórico de vitórias da Williams deve ter pesado na escolha – não se sabe, entretanto, se foi dele ou da equipe –, que, nas últimas temporadas amargou posições do meio do grid para trás.   De fato, Felipe Massa não é um piloto pagante e sim de transferência. Ou seja, a equipe usará o prestígio do piloto para conseguir contratos e completar orçamento junto a potenciais patrocinadores brasileiros. Porém, se não pagante, o anúncio da contratação de Massa aconteceu com o logotipo do Banco do Brasil compondo Continue lendo [...]