Ricciardo foi até agora o único a quebrar conhecimento da hegemonia da Mercedes - Sutton Images

Ricciardo foi até agora o único a quebrar conhecimento da hegemonia da Mercedes – Sutton Images

O sorridente australiano Daniel Ricciardo, da RBR, venceu o GP da Bélgica, domingo (24), no circuito de Spa-Francorchamps, e continua a ser o único a vencer além da poderosa Mercedes. Ricciardo, que venceu no Canadá e Hungria deu as cartas também na Bélgica ao fazer uma estratégia correta de paradas no box e se valeu da confusão armada no começo da prova entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg, que apesar de ter parte da asa dianteira danificada conseguiu cruzar a linha de chegada na segunda posição, seguido de Valtteri Bottas, da Williams, que pilotou muito, o que, em tese, justifica o interesse da McLaren em tê-lo como piloto titular da equipe de Woking na próxima temporada quando será empurrada por motor Honda.

 

Rosberg bate em Hamilton, quebra asa dianteira e pedaço do pneu de Hamilton gruda no assoalho do caro de Massa - Sutton Images

Rosberg bate em Hamilton, quebra asa dianteira e pedaço do pneu de Hamilton gruda no assoalho do caro de Massa – Sutton Images

A disputa interna entre os pilotos da Mercedes, como era de se esperar, não terminou bem. Líder da tabela de pontos e pole-position, Nico Rosberg perdeu a liderança para seu companheiro de equipe logo na largada e ao tentar recuperar a posição teve a porta fechada por Hamilton. Não deu outra coisa que não um toque na roda traseira direita do carro do inglês e um furo no pneu, que lhe custou a prova já que foi parar no final do pelotão. Não foi só prejuízo para Hamilton. O pedaço da asa do carro de Rosberg enroscou no assoalho do carro de Massa, que começou a perder posições por falta de dirigibilidade.

 

Apesar da aguardada disputa entre os pilotos da Mercedes não acontecer corrida belga foi interessante ao apresentar evolução de alguns times, como a Ferrari, que mesmo tendo de pagar 5s nos boxes por uma vacilada ainda no grid de largada no carro de Fernando Alonso foi bem. Até o finlandês Kimi Räikkönen, companheiro do espanhol no time do cavalinho rampante, acordou para o campeonato e terminou na quarta posição, enquanto Alonso, protagonista de uma disputa espetacular no final da prova terminou em sétimo, atrás do atual tetracampeão mundial Sebastian Vettel, da RBR, Kevin Magnussen e Jenson Button, ambos da McLaren, quinto e sexto, respectivamente.

 

Mercedes manda Hamilton parar; Rosberg, com isso, amplia liderança no campeonato - Sutton Images

Mercedes manda Hamilton parar; Rosberg, com isso, amplia liderança no campeonato – Sutton Images

Destaque para Valtteri Bottas, da Williams, que acelerou muito a ponto de brigar pela liderança da corrida com Ricciardo. Se ele não tivesse parado para troca de pneus no final da prova certamente teria chegado à sua primeira vitória na carreira na F1. Ainda não foi dessa vez. Faltou pouco. Entretanto, quando retornou à pista, disputou e venceu a disputa com sangue nos olhos e faca entre os dentes a terceira posição com Räikkönen, da Ferrari, e subiu ao pódio pela terceira vez na temporada. Já Massa…

 

A sorte não sorri para Massa. Desta vez um detrito do pneu de Hamilton melou a corrida do brasileiro -  Diego Azubel/EFE

A sorte não sorri para Massa. Desta vez um detrito do pneu de Hamilton melou a corrida do brasileiro – Diego Azubel/EFE

O brasileiro pagou o pato pelo chega pra lá Hamilton e Rosberg. Isso porque um pedaço de fibra de kevlar pneu do inglês ficou preso no assoalho da Williams de Massa e equipe demorou até descobrir o motivo pelo qual o finlandês disparava na frente e o brasileiro amargava posição no bloco intermediário. Mas mesmo com a retirada do detrito Massa não avançou. É bem verdade que se ele não tivesse acontecido o acidente de percurso Massa, que largou em novo, não faria uma corrida pela ponta. A Williams parece ter fechado com Bottas, com razão, já que ele é quem tem mais pontos na tabela de pontos e colocou a equipe à frente da Ferrari no campeonato de Construtores. Para Massa restou lamentar.

 

“O carro andava para trás, não tinha como manter o carro na pista. Eu vinha reclamando que o carro estava impossível de guiar, parei nos boxes, mas eles não retiraram (o pedaço do kevlar do pneu de Hamilton), só foram retirar na outra parada, aí já era tarde. Só então eu comecei a virar na balada dos outros. Foi uma pena”, lamentou o piloto brasileiro em entrevista após o término da prova.

 

Faltando ainda sete provas para o fim da temporada, a disputa pelo título continua restrita aos pilotos da Mercedes. Rosberg lidera o Mundial com 220 pontos, contra 191 de Hamilton, seguido por Ricciardo com 156, Alonso com 119 e Bottas com 110 pontos. A gordura acumulada por Rosberg, entretanto, pode ser lipoaspirada se Hamilton conseguir vencer três prova e seu rival tiver um desempenho irregular, o que é bem pouco provável.

 

A Fórmula 1 volta a se apresentar no dia 7 de abril, em Monza, para a disputa do GP da Itália.

 

F-1, GP da Bélgica, resultado final:

Crédito: formula.com

Crédito: formula.com