Se Rosberg sofreu alguma pressão foi de Ricciardo na última volta em Cingapura - Sutton Images

Se Rosberg sofreu alguma pressão foi de Ricciardo na última volta em Cingapura – Sutton Images

 

Nico Rosberg venceu o GP de Cingapura, domingo (18) e reassumiu a liderança do Mundial de Pilotos, agora com oito pontos de vantagem sobre seu companheiro de equipe, o inglês Lewis Hamilton, que terminou a etapa em terceiro, e Daniel Ricciardo, da Red Bull, em segundo. O alemão da Mercedes fez uma apresentação de gala. Foi à forra. Mas ainda tem muita quilometragem pela frente até a conquista do título de campeão mundial, e, para isso, terá de contar com três fatores para atingir seu objetivo: equilíbrio emocional, precisão de pilotagem e sorte, porque Hamilton não entregou os pontos e está em boa fase.

 

Rosberg largou bem, mas atrás, Hülkenberg virou recheio de sanduíche entre Sainz e Verstappen e  estampou a mureta - Sutton Images

Rosberg largou bem, mas atrás, Hülkenberg virou recheio de sanduíche entre Sainz e Verstappen – Sutton Images

 

Na corrida de Marina Bay deu tudo certo para Rosberg. Ele não teve adversários à altura para superá-lo na pista. Hamilton, por sua vez, fez o que pode com um carro igual ao do alemão, mas pelejou com o equipamento que não tinha o mesmo desempenho. A vitória deu a Rosberg, que venceu os quatro primeiros grandes prêmios – Austrália, Bahrain, China e Rússia -, começou a patinar após a glória do holandês Max Verstappen, na Espanha, e o ataque de Hamilton, vencedor em Mônaco e no Canadá.

 

Rosberg só voltou a vencer em Baku, no GP da Europa, depois só deu Hamilton nos GPs seguintes, Áustria, Inglaterra, Hungria e Alemanha, respectivamente. Com a conquista em Cingapura, o alemão soma oito vitórias ante seis de Hamilton. O caminho a definição do dono do caneco de 2016 será decidido nas próximas seis etapas restantes para o fim da temporada: Malásia, Japão, Estados Unidos, México, Brasil e Abu Dhabi. Estão 150 pontos em jogo (cada vitória confere 25 pontos). Se a sorte de Rosberg do começo da temporada vier acompanhada de equilíbrio emocional e o contrário acontecerem para Hamilton, o alemão chega lá.

 

Porém, como bem disse o argentino pentacampeão Juan Manuel Fangio, “carreras, son carreras, y terminan cuando se baja la bandera de cuadros” (corridas são corridas e só terminam quando se recebe a bandeira quadriculada, em livre tradução) não dá para afirmar, categoricamente, que Rosberg será campeão. Por hora é o que tem grandes chances, lembrando que Hamilton, o único em condições de brigar pelo tetra não parece que entregou o jogo, não aparenta abatimento e, por isso, não se pode antecipar resultado.

 

GP de Cingapura, resultado final:

Crédito: formula1.com

Crédito: formula1.com

Mundial de Pilotos - Crédito: formula1.com
Mundial de Pilotos – Crédito: formula1.com