Reprodução / Site

A Proteste (Associação de Consumidores) divulgou hoje (16/12) a análise com as apólices das principais seguradoras do mercado. A Proteste constatou que é fundamental pesquisar bastante antes de fechar o negócio para conseguir contratar um bom serviço e não gastar bem mais sem necessidade.

Pensando nisso, a Associação traçou quatro perfis, em cinco capitais, nesta análise. Por exemplo, um motorista carioca, de 50 anos, casado, que tem 13 anos de habilitação e usa, diariamente, seu Onix Hatch Joy (2019, quatro portas e bicombustível) pode poupar até R$ 4.522,65 no seguro do carro. Isso se optar pela Bradesco (R$ 1.855,15), uma de nossas indicações de escolha certa, em vez da Tokio Marine (R$ 6.377,80), a mais cara do teste.

Duzentas apólices – Para realizar a análise, a Proteste enviou questionários para as maiores seguradoras do ramo de seguro auto, porém recebemos respostas apenas da Sompo, Mapfre, HDI, Bradesco, Liberty, Tokio Marine e SulAmérica. No total, foram analisadas dez seguradoras e 200 apólices.

Vale ressaltar que tanto as características do veículo como as do condutor têm influência sobre o valor do seguro. E mais: cada seguradora possui um método de cálculo e de análise do risco. Para modelos mais antigos, esportivos e que tendem a ser mais roubados (como os de quatro portas), o seguro sai por um preço mais salgado. E as seguradoras levam em conta também as estatísticas de roubos, furtos e acidentes de cada região.

Além disso, mulheres costumam pagar menos, enquanto homens, entre 18 e 25 anos, arcam com seguros mais caros. E quanto mais tempo de carteira tiver o condutor, mais em conta será o seguro, desde que não se possua um histórico com muitos acidentes.

Exclusões extensas – Para evitar surpresas desagradáveis, leia o contrato atentamente na hora de fechar o negócio. Isso porque a lista de exclusões de cobertura das seguradoras ainda continua grande. Em nossa análise, quase todas as seguradoras foram mal avaliadas, com exceção da Bradesco e da SulAmérica, que se mostraram aceitáveis. Enquanto algumas cobrem os riscos de danos à pintura e aos pneus do veículo, por exemplo, outras os excluem, não dando nem a opção da contratação de forma alternativa.

No que se refere à franquia, as seguradoras também decepcionaram. Essa participação financeira do consumidor no prejuízo não pode ser cobrada nos sinistros de indenização integral e resultantes de incêndio, queda de raio ou explosão.

Nesse critério, todas as seguradoras se saíram mal, porque cobram franquia em casos de prejuízos parciais (decorrentes de choque, colisão, capotamento, furto ou roubo, entre outros) e fenômenos da natureza (exceto a HDI que não cobra participação nos sinistros decorrentes desses fenômenos), exigindo também participação acima de R$ 1,5 mil.

Além disso, preste atenção no contrato, porque algumas seguradoras podem oferecer diferenciais, como é o caso da SulAmérica no produto Auto Mulher, que garante a isenção da franquia no primeiro sinistro. Vimos ainda que a política de bônus continua não sendo clara para o consumidor.

Trata-se do desconto na renovação do contrato, caso o segurado não tenha cometido nenhum sinistro na vigência da apólice. Em geral, apenas a assistência 24h, se acionada, não reduz a classe de bônus. A Porto Seguro e a Sompo foram consideradas muito ruins, porque não trazem o mínimo de informações desejáveis, como prazo mínimo de renovação sem redução da classe, que é de 60 dias nas demais seguradoras. Por isso, informe ao corretor a sua classe de bônus.

Você também tem direito ao pagamento de indenização integral quando os prejuízos de um mesmo sinistro superam 75% da importância contratada para cobrir o veículo. Todas as seguradoras cumprem o prazo máximo legal para o pagamento (30 dias). A SulAmérica se destacou como muito boa, por ser a única a registrar o prazo mínimo (cinco dias úteis) para a indenização.

As outras seguradoras receberam conceito aceitável por trazerem apenas o prazo máximo. Se os prazos forem desrespeitados, o valor da indenização deve ser acrescido de juros e correção monetária. E saiba que as seguradoras oferecem cobertura para seu carro em todo território nacional, além de a Azul, HDI e Tokio Marine disponibilizarem proteção nos países do Mercosul e no Chile.

Na escolha da oficina, todas as seguradoras oferecem uma rede credenciada e não impedem que você opte por uma oficina de sua preferência. Da mesma forma, todas se saíram bem na assistência 24h, com destaque para a Allianz, que traz alto limite de quilometragem, diária acima de R$ 150,00 e serviço gratuito de carro reserva.

Confira mais informações no site da Proteste