Divulgação

 

Alimentar-se adequadamente e com produtos de qualidade é uma tendência que tem conquistado cada vez mais adeptos. Dados de uma pesquisa realizada pela Euromonitor Internacional indicam que o segmento de alimentos orgânicos cresceu 18,5% nos últimos cinco anos no Brasil e as projeções apontam para um aumento de cerca de 4,4% ao ano até 2021. Esse índice representa uma movimentação de cerca de R$ 94,6 bilhões ao longo do ano de 2016 e representa uma significativa parcela da economia brasileira.

 

Mais do que simplesmente ter uma alimentação balanceada, o que grande parte das pessoas tem buscado é obter os nutrientes, vitaminas e substâncias que o corpo precisa, de acordo com as necessidades de cada pessoa e com os objetivos individuais. Observar como anda a saúde e funcionamento do organismo para descobrir quais os alimentos precisam ser ingeridos em maior ou em menor quantidade é a melhor pedida para manter-se saudável e conseguir melhorar o bem-estar e a qualidade de vida.

 

Por isso, atrelada à crescente preocupação do brasileiro em ingerir alimentos de boa procedência e qualidade, encontra-se à busca por suplementações que venham complementar de forma saudável os bons hábitos. Isso se refletiu nos últimos anos no surgimento de diversas empresas que procuram oferecer aos seus consumidores produtos desse tipo e que se encaixem nas demandas de um público que tem objetivos cada vez mais específicos e direcionados para seu estilo de vida.

 

“Não se trata de oferecer somente suplementos de qualidade, mas de entender quem são as pessoas que buscam esses produtos e desenvolver itens que se adequem a esses objetivos”, explica Lucas Marder de Oliveira Reis, sócio da Ocean Drop, empresa que desenvolve cápsulas de suplementação alimentar, feitas a partir de algas, localizada em Balneário Camboriú, em Santa Catarina.

 

Com essa filosofia, o grupo faturou R$ 560 mil em 2016 e espera fechar 2018 com mais R$ 3 milhões de faturamento. As vendas são feitas pelo site. Mensalmente, saem cerca de 2.500 latas. A ideia, agora, é expandir para outros produtos, como sucos, barrinhas de cereal e cosméticos.

 

O que são? – Essas suplementações são desenvolvidas para serem supercomidas – ou superfoods, como são chamadas em inglês -, o que significa que se tratam de alimentos de alto rendimento para o corpo. Atletas e pessoas com intensa carga de atividade física, por exemplo, precisam consumir fontes de carboidratos complexos, para fornecer energia para o corpo de forma mais duradoura e efetiva, e proteínas, para ajudar no fortalecimento e regeneração muscular. Os suplementos com esses objetivos possuem altos índices de cada nutriente, o que oferece ao consumidor uma maneira simples de atingir aquilo que só poderia ser obtido com grandes quantidades de alimentos específicos. Os suplementos, dessa forma, não substituem uma alimentação apropriada, mas ajudam a obter tudo aquilo que não for possível de forma natural e saudável, ajudando a melhorar o funcionamento do organismo como um todo.

 

No entanto, preocupação da empresa em oferecer itens de qualidade não para por aí. Todos os produtos desenvolvidos são de origem 100% vegetal, o que atende também aos objetivos de pessoas vegetarianas e veganas. Sem contar que os produtos são cultivados sem agrotóxicos, sem químicos e livres de G.M.O., que representam a categoria dos alimentos geneticamente modificados. Além de benéficos para a saúde, os produtos ainda atendem às características exigidas para minimizarem o máximo possível a chance de alergias e de outras reações indesejadas.

 

Opções – Os suplementos desenvolvidos a partir de algas oferecem nutrientes importantes para o bom funcionamento do organismo. O ágar-ágar, por exemplo, é uma extrato de algas marinhas rico em potássio e magnésio. A ingestão de quatro cápsulas por dia oferece ao organismo 3,6g de potássio, o que corresponde a mais do que o consumo mínimo recomendado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), que é de 3,51 gramas.