Recuperado, Rosberg dominou geral etapa espanhola - Getty Images

Recuperado, Rosberg dominou geral etapa espanhola – Getty Images

O alemão Nico Rosberg venceu de ponta a ponta o GP da Espanha, disputado domingo (10), no circuito de Montmeló. Seu companheiro de equipe, o inglês Lewis Hamilton terminou em segundo e, apesar de sua equipe, a Mercedes, manter a soberania na Fórmula 1 com mais um 1-2, já percebeu que ela pode ser incomodada – não exatamente afetada – pela presença da Ferrari nos seus calcanhares. Sebastian Vettel completou o top-3 em Barcelona e demonstrou que a esquadra italiana pode evoluir no decorrer da temporada.

 

Que a Mercedes ainda é a maior força da temporada não resta a menor dúvida. A equipe, se ainda peca nas paradas de boxe, surpreende pelo desempenho de seus pilotos dentro da pista. O GP da Espanha não foi entusiasmante, mas, por outro lado, mostrou um Rosberg menos abatido e, por que não dizer, eufórico com sua primeira conquista na temporada – a primeira na terra de Fernando Alonso. Apesar de ainda distante de Hamilton na tabela de pontos, se o alemão conseguir manter o equilíbrio psicológico, e consequentemente menos pressionado, dará novas cores à combalida F1.

 

Focado no resultado, Rosberg, pode-se dizer, foi “o cara” durante todo final de semana. O alemão fez a pole position, largou muito bem e só houve uma troca de posição em detrimento de Hamilton, seu principal concorrente, durante a segunda parada para troca de pneus, quando andou por algumas voltas na ponta após ultrapassar o tetracampeão mundial Sebastian Vettel. A vida do inglês só se acalmou pela melhor estratégia de paradas para trocas de pneus da equipe da estrela solitária ante a do cavalinho rampante.

 

Com o primeiro triunfo na temporada, Rosberg soma agora 91 pontos no campeonato, 20 atrás de Hamilton, que venceu três vezes e ainda lidera o Mundial. Vettel, que venceu na China, e contabiliza 80 pontos, seguido pelos finlandeses Kimi Räikkönen e Valtteri Bottas, da Williams. Aliás, ambos protagonizaram uma disputa sensacional pelo quarto lugar na Espanha. Bottas, bem cotado para compor com Vettel a dupla de pilotos de Maranello, em 2016, conseguiu segurar seu compatriota e cruzar a linha de chegada à frente.

 

Faltou carro para Felipe Nasr fazer mais uma boa apresentação - Reprodução: Andreu Dalmau/EFE

Faltou carro para Felipe Nasr fazer mais uma boa apresentação – Reprodução: Andreu Dalmau/EFE

Em alerta – O brasileiro Felipe Massa deve estar engolindo seco. Isto porque o fim de semana na Espanha marcou a passagem na tabela de pontos de seu parceiro de Williams na tabela de pontos. Após largar na nona posição, Massa terminou a corrida em sexto, a mesma que ocupa agora no campeonato. Detalhe: Bottas não correu uma prova e está motivado. Com o quarto lugar na Espanha, o finlandês está três pontos na frente do piloto paulista, que soma 39 pontos e o finlandês 42. Ou seja, ou Massa reage ou tenderá, novamente, a ser segundo piloto na Williams.

 

Já Felipe Nasr amargou um final de semana nada proveitoso em seu ano de estreia na principal categoria do automobilismo. O brasiliense, que causou ótima impressão logo na primeira prova, terminou a prova numa regular 12ª posição. Isto porque a Sauber não acompanhou o movimento das demais equipes e entregou ao brasileiro um carro exatamente igual ao que usou durante as primeiras etapas. Ou seja, enquanto as concorrentes investiram para começarem bem a temporada europeia, a equipe suíça simplesmente estacionou por falta de recursos financeiros. Ela só poderá contar, portanto, com a sorte.

 

Se a etapa não foi lá essas coisas para os dois pilotos brasileiros, quem também está com a luz amarela acessa é a Red Bull. Nasr ficou atrás de Daniel Ricciardo, Romain Grosjean, da Lotus-Renault – que por pouco não atropela um mecânico na última parada para troca de pneus –, Carlos Sainz Jr., da Toro Rosso, Daniil Kvyat, da Red Bull, e Max Verstappen, da Toro Rosso. A relação da Red Bull com a Renault, que está ligeiramente abalada pela falta de rendimento dos propulsores franceses, pode terminar em separação.

 

Além de Bottas e Räikkönen, o piloto da casa e bicampeão mundial Fernando Alonso se destacou na etapa ao andar forte durante boa parte da prova em sétimo lugar. A McLaren, agora empurrada por motor Honda, poderia marcar seus primeiros pontos, isto é, se o espanhol não ficasse sem freios. O bom desempenho do piloto asturiano aponta que a equipe britânica evoluiu sim, mas ainda não vingou.

 

A F1 se reúne novamente, entre os dias 21 e 24, para a disputa do Grande Prêmio de Mônaco.

Crédito: f1.com

Crédito: f1.com