Divulgação

 

Em meio a um mercado cada vez mais competitivo, entender os desejos do consumidor é encontrar um meio de ganhar mais visibilidade e atrair seu público. Estudar o que influencia o mercado é o que fez conhecidas empresas atuais a se destacarem dentre as empresas tradicionais. Isso aconteceu em diversos segmentos: com a ideia de motorista particular, a Uber ofereceu um serviço com mais conforto e com a possibilidade do cliente saber o valor de sua corrida antes mesmo de iniciá-la; com o Netflix, o público não precisa mais esperar os lançamentos da TV fechada e pode assistir a séries e filmes quando e onde quiser; o Airbnb mudou o conceito de hospedagem ao permitir que casas, apartamentos, castelos e até um túnel de cerveja sejam lugar para o turista se hospedar; o iFood evitou o telefone e concentrou as opções de busca de comida delivery em um só lugar.

 

Com a cerveja não poderia ser diferente. A variedade de produtos oferecidos no mercado mudou o padrão e escolha de quem consome. As pessoas estão interessadas em mais qualidade e menos quantidade, mais praticidade, diversidade de estilos, sabores e aromas. Por esse motivo, gradativamente, a cerveja artesanal fabricada em microcervejarias vem ganhando mais espaço no mercado e entre os amantes da bebida.

 

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que regula o setor, no primeiro semestre de 2017, 91 novas fábricas foram implantadas no país. Desta forma, o Brasil chega a 610 cervejarias, com 83% delas concentradas no Sul e Sudeste. Em um mercado que tem como característica a pluralidade de produtores e produtos houve crescimento no número de receitas registradas: já são 7.500 rótulos. Com essa nova filosofia de consumo, os clientes estão levando o produto aonde o microcervejeiro não levava antes.

 

Ligada nessa nova realidade, em 2016 a My Growler entrou no mercado para difundir no país um hábito mais sustentável e econômico. Trata-se da utilização de growler, uma espécie de garrafa retornável que você pode encher com chopp em qualquer lugar que venda o líquido e levar para casa.

 

Segundo o CEO e idealizador da empresa, Rodrigo Lima Fernandes, o growler está transformando a forma de consumir e fornecer cerveja. “Acreditamos que essa prática traz benefícios tanto para consumidores, como para fornecedores e meio ambiente. Além disso, gera muitas oportunidades de negócios em todo o Brasil, impulsionando o segmento das cervejas craft e revolucionando a forma que se consome e se fornece cerveja fresca no país”.

 

Os números também indicam isso. Segundo uma pesquisa realizada em 2017 pelo site Maria Cevada, 55% dos entrevistados já possui o utensílio. Dentre eles, a preferência é pelo recipiente de vidro (51%) com volume de cerca de 2 litros (61%) – modelo introduzido no país pela My Growler. Apesar da difusão do growler, a frequência com que as recargas são efetuadas ainda pode crescer para aquecer o mercado ainda mais.

 

A mesma pesquisa aponta que a maior parte dos entrevistados (45%) efetua recargas quinzenal ou mensalmente. Para isso, foi necessário estimular a abertura de pontos de venda de chopp a granel com o objetivo de impulsionar o consumo de cerveja em growler. Desta maneira, o consumidor poderá beber sua draft beer favorita onde e quando quiser.

 

Microcervejarias, bares, restaurantes, brewpubs e lojas de bebidas já aderiram ao growler e oferecem o refil a preços atrativos. Ambos ganham, pois, o empresário fideliza o cliente e aumenta o ticket médio, e o consumidor paga mais barato pela bebida. Isso acontece porque são dispensados os custos de envase, distribuição e rotulagem. A My Growler tem um e-commerce, no qual o consumidor encontra growler de R$49,90 à R$79,90.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...