Reprodução/Bellare

 

O Brasil vive um momento de incertezas econômicas nos últimos anos e, por isso, é natural ter mais cautela ou até mesmo esperar para investir nos planos de expansão de um negócio. Por outro lado, aqueles empreendedores que atuam no mercado de joias e semijoias estão se sentindo mais animados, pois as perspectivas são positivas.

 

Na contramão de outros setores, as joalherias encontram-se em um período de positividade, em que não são sentidos os efeitos da crise econômica, o que torna esse segmento um dos mais promissores do momento. Entre as principais vantagens da área, pode-se citar:

 

  • Maior percepção da qualidade dos produtos por parte dos consumidores
  • Variedade de portfólio
  • Mais possibilidades de canais de venda
  • Qualidade da matéria-prima disponível
  • Demanda interna mais aquecida

 

É importante lembrar que o país é um dos quinze maiores produtores de joias em ouro do mundo. No total, são cerca de 22 toneladas de peças criadas e comercializadas no Brasil, de acordo com os dados do IBGM (Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos). O órgão realizou a pesquisa com 261 indústrias do setor de artefatos de pedra, lapidação, joalheria de ouro, folheados e bijuterias. O Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos é nacional e atua sem fins lucrativos.

 

Atualmente, a maioria dos empreendimentos brasileiros está confiante na expansão da economia. Neste caso, é sempre preciso acompanhar de perto a evolução do segmento e acessar as informações referentes ao comportamento do consumidor. De todo modo, é importante salientar que o mercado de semijoias e bijuterias têm auxiliado nesse cenário de crescimento econômico da indústria.

 

Ao todo, existem cerca de três mil empresas de semijoias em atividade, que juntas faturam, aproximadamente, R$ 600 milhões. Tais números tendem a melhorar ainda mais, uma vez que, do total de exportações de produtos folheados brasileiros, 70% vai para Alemanha, Canadá e Estados Unidos.

 

Causas – O desenvolvimento promissor do mercado de semijoias se deve, em grande parte, à criatividade dos empreendedores. Além disso, a produção com uso de materiais diversos e de qualidade é favorável (como os ecologicamente corretos, por exemplo). O empregar de novas tecnologias de produção também permite uma melhora na oferta de produtos no mercado.

 

Grande parte dos consumidores procura por peças únicas, de qualidade e que tenham um preço acessível. Dessa forma, muitas peças são produzidas em titânio, paládio e aço inox. Inclusive o aço inox é uma forte tendência para confecção de joias masculinas. O crescimento do segmento masculino de semijoias também funcionou como combustível e trouxe aquecimento para o setor. A cada dia, mais homens procuram joias, não apenas para presentear, mas também para uso próprio.

 

Investimento e competitividade – Com o aquecimento do mercado, o setor tem investido cada vez mais em tecnologia. Essa é uma estratégia fundamental para ampliar toda a cadeia produtiva e aprimorar o atendimento ao mercado exterior com excelência. São alguns recursos que oferecem maior qualidade aos processos e produtos finais. Estão entre eles:

 

  • Insumos
  • Máquinas importadas
  • Ferramentas
  • Equipamentos
  • Monitoramento dos canais de comunicação
  • Softwares de gestão
  • Sistema de câmeras de segurança

 

O aperfeiçoamento das técnicas de produção e uma atenção especial ao atendimento das tendências também são diferenciais, principalmente na hora de driblar a concorrência. Modelagem de joias 3D, por exemplo, a mistura de materiais e o acompanhamento dos destaques da moda ao redor do mundo possibilitam a projeção de peças diferenciadas e únicas, especialmente quanto ao estilo e ao design.