Hamilton não teve opositores e larga na frente na Austrália - Getty Images

Hamilton não teve opositores e larga na frente na Austrália – Getty Images

 

Lewis Hamilton, da Mercedes, brilhou solitário no novo sistema de classificação e vai largar na posição de honra no GP da Austrália, etapa que abre a temporada 2016 da Fórmula 1. Nico Rosberg completa a primeira fila e na segunda largam os pilotos da Ferrari Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen, respectivamente. Entre os brasileiros, Massa larga em sexto e Nasr em 17º. O novo formato de formação do grid ficou bem interessante até o Q2, quando a cada 90 segundos um piloto é desclassificado, mas teve uma quebra de clímax total no Q3. A sempre esperada disputa pela pole não aconteceu e, certamente, frustrou quem permaneceu com os olhos pregados na televisão. Sem condições de lutar pela ponta os pilotos foram abandonando a pista, e o que poderia manter o ritmo de corrida caiu no vazio.

 

Momento comédia: Erro nos boxes e Haryanto, da Manor, colide em Grosjean, da Manor - Crédito: f1.com

Momento comédia: Erro nos boxes e Haryanto, da Manor, colide em Grosjean, da Haas – Crédito: f1.com

 

É inegável que o novo sistema de classificação trouxe emoção extra. Carros e pilotos que antes só eram vistos ao abandonarem a prova agora têm mais tempo de exposição. Os patrocinadores agradecem. Mas será que é isso que o torcedor quer assistir? Duvido. Na prática, a temporada começa com se a de 2015 não tivesse terminado. Os dois carros da Mercedes se não estão anos-luz à frente dos da Ferrari, e talvez eventualmente da Williams, Red Bull e Toro Rosso, ainda dão as cartas na pista.

 

O atual tricampeão mundial Lewis Hamilton sequer foi assediado pelo seu principal rival, Nico Rosberg, que, aparentemente, começou a temporada escorregando na baba. Uma repetição do que aconteceu no meio da jornada de 2015 quando foi massacrado pelo seu companheiro de equipe. Sopros de felicidade pode vir da dupla da Toro Rosso, Max Verstappen e Carlos Sainz Jr, quinto e sétimo no grid australiano e que fizeram bonito nos dois dias da pré-temporada. A Red Bull, ainda empurrada por motores Renault batizados de TAG-Heuer é uma incógnita. Enquanto a prata da casa, o rápido australiano Daniel Ricciardo foi sétimo, o russo Daniil Kvyat jogou a toalha ainda no Q3 junto com os pilotos da estreante estadosunidense Haas e foi coadjuvante do momento comédia dos treinos. Rio Haryanto, da Manor, o protagonista, foi autorizado a sair dos boxes ao mesmo tempo em que Romain Grosjean, da Haas, e houve uma colisão, a meu ver, ridícula. Pela batida, o piloto da Manor foi penalizado com perda de três posições. Gostaria muito de estar errado, mas a Fórmula 1 este ano tende a ser tão ou mais angustiante do que foi em 2015.

 

A largada para o O GP da Austrália será às 2 horas do domingo (horário de Brasília).

 

Confira abaixo o grid de largada:

Crédito: f1.com

Crédito: f1.com