Divulgação


O I-Pace, primeiro veículo 100% elétrico da Jaguar, acaba de chegar ao mercado brasileiro e terá suas primeiras 250 unidades comercializadas no País com garantia de abastecimento com energia 100% renovável pelos próximos oito anos.

Esse é o compromisso da marca britânica de veículos premium e da ZEG, empresa do Grupo Capitale que, em parceria com a Jaguar, garante que o I-Pace não apenas será um veículo com zero índices de emissões, mas também que a energia elétrica utilizada por ele terá a garantia de ser de origem totalmente renovável.

Para tornar esse fornecimento de energia limpa uma realidade para o I-Pace, a ZEG vai injetar na rede elétrica insumo 100% renovável suficiente para o consumo dos 250 carros por oito anos. Para atender à demanda, a companhia vai gerar, por ano, 1,25 GWh de energia limpa a partir das fontes solar, hídrica, biogás e de resíduos sólidos. Tal energia terá a certificação do I-REC, sistema global de certificação de energia renovável.

Divulgação

Todos os investimentos da ZEG em geração de energia devem somar cerca de 1 bilhão de reais nos próximos dois anos, incluindo R$ 380 milhões para projetos de recuperação e tratamento do lixo urbano e industrial.

“Nossos clientes saberão que a energia elétrica que move o seu I-Pace é gerada por um meio 100% limpo, totalmente renovável. E esse é um passo importantíssimo neste início da era elétrica do automóvel”, afirma Divanildo Albuquerque, diretor geral da Jaguar Land Rover no Brasil. “O I-Pace antecipa para hoje o futuro da Jaguar Land Rover, ao oferecer total eficiência, design, desempenho e zero emissão de poluentes”, completa o executivo.

Já para o presidente da ZEG, Daniel Rossi, “é preciso convergir à consolidação do carro elétrico com o fomento à geração de energia limpa. O fornecimento é um pontapé inicial para aprimorar o abastecimento elétrico de veículos, assim como a ZEG tem dado outros passos em outros mercados parar a substituição de combustíveis fósseis e garantir o direito de escolha do consumidor por energia limpa”.