Ricciardo venceu no braço e na estratégia perfeita adotada pela Red Bull - Sutton Images

Ricciardo venceu no braço e na estratégia perfeita adotada pela Red Bull – Sutton Images

Daniel Ricciardo, da Red Bull, venceu o GP da Hungria, disparado o melhor da temporada, disputado domingo (27) no circuito de Hungaroring. Foi a segunda vitória do australiano – a primeira foi no Canadá – este ano. Em segundo chegou Fernando Alonso, da Ferrari, após uma disputa sensacional com Lewis Hamilton, da Mercedes, que saiu da última posição nos boxes, e fez uma corrida de recuperação extraordinária. Líder do campeonato, Nico Rosberg terminou em quarto, embutido na traseira de seu companheiro de equipe e principal rival na luta pelo título. Felipe Massa, desta vez, foi competitivo e completou o top-5 depois de uma disputa ferrenha com Kimi Räikkönen.

 

“Abusado”, como Ricciardo era chamado na infância, largou na quarta colocação e fez uma corrida sensacional, irreparável mesmo. O australiano e soube usar a estratégia correta da Red Bull para desbancar a Mercedes pela segunda vez ano. Preciso como um bisturi elétrico, o piloto da equipe rubro- taurina esperou o momento certo para ultrapassar ninguém menos que dois campeões nas quatro últimas voltas: Hamilton e Alonso, respectivamente, e deixar claro que chegou à principal categoria do automobilismo para marcar presença e no futuro, talvez, ser campeão mundial.

 

Marcus Ericsson bate a Caterham e provoca primeira entrada do carro de segurança - Sutton Images

Marcus Ericsson bate a Caterham e provoca primeira entrada do carro de segurança – Sutton Images

A corrida que começou com pista molhada, pancadas a granel, a começar por Marcus Ericksson, que estampou sua Caterham logo nas primeiras voltas, provocando a primeira entrada do carro de segurança. Destaque para Fernando Alonso, que fez uma corrida quase perfeita. Quase não pela sua indefectível pilotagem, e sim pelo equipamento que pilota. O espanhol poderia ter vencido a prova se tivesse um carro à altura de sua competência e não tivesse que segurar, no braço, um Hamilton endiabrado e um Ricciardo em dia iluminado.

 

Felipe Massa fez uma apresentação bonita, praticamente sem erros. Depois de largar em sexto, aproveitou as paralisações e chegou a ficar em segundo, mas foi prejudicado pela Williams, que o devolveu à pista com pneus intermediários, quando todos utilizavam compostos macios. No final, após uma última troca antecipada de pneus, Massa conseguiu segurar a posição contra Räikkönen, mas não com Rosberg, que passou de passagem por ambos.

 

Hamilton fez uma prova de recuperação extraordinária no melhor GP da temporada - Sutton Images

Hamilton fez uma prova de recuperação extraordinária no melhor GP da temporada – Sutton Images

 

Massa perdeu posições na largada, mas conseguiu terminar em sexto - Sutton Images

Massa perdeu posições na largada, mas terminou em sexto. Terminaria melhor se equipe não errasse – Sutton Images

Corridaça – Rosberg largou da pole e conseguiu contornar a primeira curva em primeiro, enquanto Valtteri Bottas largou de terceiro para segundo. Sebastian Vettel, o segundo colocado no grid, não foi bem e caiu para quarto, ultrapassado por Fernando Alonso, que saltou de quinto para terceiro, mas foi deixado para trás pelo atual tetracampeão nas curvas seguintes.

 

Escaldado pela sequência de acidentes na primeira volta, Felipe Massa fez uma largada menos arrojada e terminou a primeira volta em oitavo com o carro inteiro. É bem possível que ele tenha lembrado que corrida não se vence na primeira curva e sim na bandeirada final. Bonito mesmo fez Lewis Hamilton, que largou dos boxes e desceu a sapatilha do pé direito até Marcus Ericsson bater de frente na grade de proteção, provocar a primeira entrada do carro de segurança e também abrir a janela para troca de pneus. Nico Rosberg, então, perdeu a liderança para Valtteri Bottas e caiu para a quarta posição. Quando o carro de segurança ia liberar o pelotão, Romain Grosjean bateu sozinho e carro permaneceu na pista.

 

Sergio Pérez bateu forte, provocou a segunda entrada do carro de segurança, mas saiu ileso - Getty Images

Sergio Pérez bateu forte, provocou a segunda entrada do carro de segurança, mas saiu ileso – Getty Images

Quando o circuito foi finalmente liberado, Button, da McLaren, aproveitou e tomou a primeira posição ainda com pneus intermediários. Massa subiu para terceiro, enquanto Rosberg reclamava problemas nos freios e perdia posições, indo parar em sétimo, atrás de Hamilton. Mas a liderança de Button duraria pouco. Ao entrar nos boxes, Ricciardo assumiu a ponta com Massa segundo, bastante pressionado por Alonso. Vettel também recebia pressão de Hamilton na briga pela sexta posição, mas foi salvo por uma nova entrada do carro de segurança na 23ª volta, quando Sergio Pérez bateu forte, interrompendo mais uma vez a corrida.

 

Massa e Ricciardo aproveitaram o momento para trocarem pneus e Alonso assumiu a liderança. A Williams errou na estratégia ao decidiu deixar pneus intermediários em seus carros, enquanto todos os demais estavam com macios. Depois da prova Massa chiou do erro da equipe. Com razão. Se saísse com pneus macios o resultado poderia ter sido diferente. Hamilton, sem problema no sistema de freios, seguia firme e após ultrapassar Jean-Éric Vergne, da Toro Rosso, assumiu o segundo lugar, mas com uma outra entrada dos ponteiros aos boxes, Ricciardo retomou a ponta com Massa em segundo, mas com a estratégia equivocada da Williams ele precisou parar novamente para trocar os pneus, caiu para sexto e acabou com a possibilidade de subir no pódio.

 

Após a última parada nos boxes, Ricciardo deixou a liderança com Alonso, que, apesar de mandar a bota poderia sofrer com o desgaste dos pneus nas voltas finais. O espanhol não parou e as últimas voltas foram eletrizantes, com Alonso, Hamilton e Ricciardo praticamente colados. O piloto da Ferrari bem que tentou, mas só conseguiu segurar Hamilton. Ricciardo em dia de graça, passou por ambos para cruzar a linha de chegada em primeiro. Rosberg, que parou a doze voltas do fim da corrida pilotou uma barbaridade e chegou colado em Hamilton.

 

O GP da Hungria resultado da prova não pouco alterou a tabela do Mundial. Rosberg segue líder com 202 pontos, ante 191 de Hamilton e 131 de Ricciardo. Massa subiu para nono, com 40 pontos. A Fórmula entra em recesso e volta a se reunir no dia 24 de agosto, para o GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps.

 

Confira abaixo o resultado do GP da Hungria:

 

(Crédito: fórmula1.com)

(Crédito: fórmula1.com)