Impecável, Hamilton comandou a corrida em Monza até a vitória – Sutton

 

Na festa de 70 anos da Ferrari, quem fez a festa foi Lewis Hamilton, que venceu o GP da Itália, disputado domingo (3) em Monza. O inglês fez mais uma corrida extraordinária e assumiu a liderança na tabela de pontos do Mundial de Pilotos com três pontos de vantagem sobre Sebastian Vettel, o terceiro colocado. Em segundo chegou Valtteri Bottas. Quarto colocado, Daniel Ricciardo, da Red Bull, foi o piloto do dia. Kimi Räikkönen, da Ferrari, terminou em quinto. Esteban Ocon, da Force India, Lance Stroll e Felipe Massa, ambos da Williams, Sergio Pérez, da Force India, e Max Verstappen, da Red Bul, completaram o top-10.

 

Piloto da corrida, momento em que Ricciardo ultrapassa Räikkönen – Sutton

 

Apesar de ser uma corrida rápida, o Grande Prêmio da Itália foi uma corrida interessante não tanto pelo previsível domínio absoluto da Mercedes, mas pelas boas disputas de quem vinha atrás dos pilotos da equipe prateada. A presença do estreante Lance Stroll, da Williams, dividindo a primeira fila do grid de largada, por si só, foi uma grata surpresa durante o mais longo treino de classificação, que só foi concluído após a intermitente chuva que desabou sobre a pista cessou. O canadense andou dentro das limitações do carro e ainda conseguiu segurar seu companheiro de equipe, o brasileiro Felipe Massa.

 

 

Verstappen podia ser o piloto da corrida se fosse menos afoito – Sutton

 

Rapidíssimo, mas ainda sem controle emocional que se espera de um futuro campeão mundial, Max Verstappen, da Red Bull, cometeu mais erros do que acertos, e para variar quase abandona a etapa. O jovem promissor piloto está na alça de mira da Mercedes após o término do contrato do finlandês Valtteri Bottas, em 2019, tempo suficiente para ele amadurecer e botar juízo na cabeça e entender que corrida tem regras e elas devem ser respeitadas.

Correndo mais que o carro, Verstappen erra ao jogar Magnussen fora da pista – Sutton

 

Nas voltas iniciais, o piloto da Red Bull se enroscou com Felipe Massa, teve um pneu furado e o bico do carro avariado, o que, após uma parada extra no box, o colocou na última posição. No decorrer da corrida, uma ultrapassagem forçada e toque em Kevin Magnussen, da Haas lhe valeu punição. Aliás, não faltaram punições por condução antiesportiva em Monza. Jolyon Palmer, da Renault, também punido com 5s ao ultrapassar Fernando Alonso, da McLaren, por fora.

 

Dupla da Ferrari sucumbiu a força da Mercedes – Sutton

 

Diferentemente do holandês, Daniel Ricciardo fez uma corrida para encher os olhos de alegria de quem gosta de esporte a motor. O australiano da Red Bull foi impecável. Punido, Ricciardo largou da 16ª posição e escalou o pelotão com precisão cirúrgica. Tivesse largado mais à frente, o australiano seria pedra nas sapatilhas dos pilotos da Ferrari. Räikkönen que o diga.

 

Quem deixou Monza nada feliz foi Vettel. Isso porque os torcedores da Ferrari esperavam dele uma vitória dentro de casa no dia que a equipe completava 70 anos de participação na Fórmula 1. Para piorar, o alemão foi ultrapassado na tabela de pontos pelo inglês da Mercedes, que agora soma 238 pontos contra 235 do ferrarista, diferença que pode ser facilmente anulada em Cingapura, próxima etapa do Mundial, isto é, se Hamilton cometer algum vacilo ou se envolver em algum incidente de pista.

Hamilton foi imbatível desde a largada- Sutton

 

Stroll se impôs sobre Massa na prova e na tabela de pontos – Sutton

 

Correndo por fora, Bottas pode jogar água no chopp do já não tão sorridente Vettel. O finlandês soma 197 pontos no Mundial de Pilotos, já venceu duas vezes e faz uma campanha que pode ser considerada muito boa no ano de estreia numa equipe de ponta, tendo como companheiro de equipe nada menos que um tricampeão mundial. Se os dois principais protagonistas derem mole ele pode, tranquilamente, surpreender e ficar com o título.

A Fórmula 1 se reúne novamente dia 17 em Marina Bay para a disputa do GP de Cingapura.

 

GP da Itália, resultado:

 

Crédito: formula1.com