Simpático com o urso panda, o Geely GC2 vai custar R$ 29,9 mil - Reprodução

Simpático com o urso panda, o Geely GC2 vai custar R$ 29,9 mil – Reprodução

Ainda pouco conhecida no Brasil, a Geely, que no começo do ano lançou o sedã EC7, apresenta agora o GC2 foi um dos cinco mascotes dos Jogos Olímpicos de 2008 na China e, por extensão, ter popularizado o urso panda no mundo inteiro, desenhistas e engenheiros da Geely Auto projetaram o hatch compacto GC2 a partir da correlação visual com animal mamífero carnívoro que vive em seis regiões montanhosas daquele país.

 

Desenho da traseria é alto, lanternas trapezoidais e linhas fluidas agradam - Divulgação

Desenho da traseria é alto, lanternas trapezoidais e linhas fluidas agradam – Divulgação

Por essa semelhante, esse hatch desperta a atenção dos consumidores por seu desenho leve e muito atrativo. No Brasil, o desafio de conquistar o consumidor pelo desenho do automóvel, além de sua relação custo-benefício que contempla um pacote completo – com ar condicionado, direção hidráulica e trio elétrico – ao preço de R$ 29,9 mil.

 

O ambiente interno é agradável e o espaço interno é bom para quatro pessoas - Divulgação

O ambiente interno é agradável e o espaço interno é bom para quatro pessoas – Divulgação

O Geely GC2 é o segundo modelo a ser montado em Montevidéu, Uruguai, e o segundo a ser comercializado no mercado brasileiro, depois do sedã EC7, lançado em janeiro deste ano. Os próximos passos da Geely Auto no Uruguai são o início de produção do GX2, hatch versão cross, no final deste ano, e do EC7 com transmissão automática em abril de 2015. Além disso, ambos os modelos podem receber motores flexfuel, já em processos de homologação.

 

O motor de 3 cilindros e 1 litro entrega 68cv de potência - Divulagação

O motor de 3 cilindros e 1 litro entrega 68cv de potência – Divulagação

O hatch compacto GC2 traz sob seu capô um motor de 3 cilindros em linha, 1.0 litro, 12 válvulas, que entrega 68 cavalos de potência a 6.000 rpm e torque máximo de 8,9 kgm a 3.600 rpm, alimentado somente por gasolina. Quanto à suspensão, na dianteira tipo McPherson, com molas helicoidais e amortecedores a gás e na traseira eixo de torção, com molas helicoidais e amortecedores a gás.

 

O GC2 traz bom pacote equipamentos de série, receita chinesa - Reprodução

O GC2 traz bom pacote equipamentos de série, receita chinesa – Reprodução

A direção do GC2 é hidráulica, com raio de giro é de 4,75 m. A transmissão é manual de 5 marchas. A primeira versão desse modelo virá com rodas de liga-leve aro 14”, com pneus 175/65. E os freios dianteiros em discos ventilados e os traseiros a tambor.

 

Segundo Ivan Fonseca da Silva, presidente da Geely Brasil, "o GC2 é ser um eficiente carro urbano" - Divulgação

Segundo Ivan Fonseca da Silva, presidente da Geely Brasil, “o GC2 é ser um eficiente carro urbano” – Divulgação

“Como na China e nos países do sudeste asiático, no mercado brasileiro a proposta do GC2 é ser um eficiente carro urbano, com visual atraente e alegre e um conjunto de powertrain (motor e câmbio) capaz de atender ao tráfego pesado dos grandes centros”, analisa Ivan Fonseca e Silva, presidente da Geely Motors do Brasil.

 

Com dimensões de 3.598 mm de comprimento, 1.630 mm de largura e 1.465 mm de altura, o hatch compacto traz como equipamentos de segurança keyless entry system, alarme antifurto, airbag, cintos de segurança de 3 pontos, exceto para o passageiro do assento central do banco traseiro, freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem EBD.

 

Entre os principais itens de conforto e conveniência, o GC2 traz ar-condicionado, coluna de direção com regulagem de altura, destravamento do porta-malas por controle remoto na chave, sensor de estacionamento, travas elétricas nas 4 portas, regulagem elétrica de farol e central multimídia com sistema de som AM/FM estéreo, CD Player, MP3, USB, entrada auxiliar e quatro alto-falantes. O GC2 será oferecido nas cores amarelo, branco, preto e vermelho sólidos e prata metálico.

 

Sedã EC7 foi o modelo de chegada ao Brasil da marca chinesa - Reprodução

Sedã EC7 foi o modelo de chegada ao Brasil da marca chinesa – Reprodução

Novata, pero no mucho – Fundado em 1986 e com sede administrativa em Shanghai, o Geely Holding Group estabeleceu seu braço automotivo, a Geely Auto, em 1997, quando iniciou suas atividades produtivas. No ano seguinte, saiu da linha de produção o seu primeiro modelo, o Haoqing SRV. Dois anos depois, em 2000, o segundo modelo, o Geely Meiri. Proprietária da Volvo Cars (aquisição feita em 2010), da Manganese Bronze (fabricante dos táxis londrinos) e da australiana DSI, uma das maiores fabricantes de transmissões automáticas no mundo, que ocorreu em 2009, a Geely Auto mostrou números promissores no ano passado. 

 

Apenas 16 anos depois, em 2013 o faturamento do Grupo Geely alcançou US$ 25,7 bilhões, 4,4% superior aos US$ 24,6 bilhões do ano anterior. Somente com a marca Geely, o grupo comercializou em 2013 mais de 549 mil unidades, o que significou um aumento de vendas de 13,6% em relação ao ano anterior. Geely fechou o exercício fiscal como a 15ª maior produtora chinesa de automóveis de passageiros. E a única montadora chinesa privada a configurar no Fortune 500.

 

De outra parte, a Volvo Cars Corporation, a marca Premium da Geely Holdings, vendeu 428.740 veículos no mundo em 2013, 1,6% mais em relação ao ano anterior, e segue suas projeções de alcançar vendas globais de 800 mil unidades em 2020. Para alcançar esse volume, a Volvo Cars inaugurou uma fábrica na cidade de Chengdu, na China, em 2012, para melhor atender à demanda do mercado chinês. A Geely e sua subsidiária Volvo Cars, portanto, voltaram a atingir vendas globais superiores a 1 milhão de unidades, 13% mais ante 2012.

 

As projeções de curto prazo permanecem promissoras. A partir do China Europe Vehicle Technology, o centro de pesquisa e desenvolvimento da Geely-Volvo, em Gotemburgo, na Suécia, inaugurado em setembro de 2013, as duas montadoras do Geely Holding Group – Geely Auto e Volvo Cars – intensificaram acordos de cooperação técnica e de pesquisa e desenvolvimento.

 

O novo centro tem como foco o desenvolvimento de uma nova arquitetura modular e componentes para futuros veículos de plataformas comuns às duas marcas que atendam às necessidades de ambas. O novo centro de P&D já opera em sua plenitude, com uma equipe superior a 200 engenheiros da Europa e da China.

 

Como primeira montadora privada chinesa, a Geely tem se desenvolvido rapidamente nos últimos dez anos. A estratégica adotada pela Geely em 2007 foi capaz de reorientar sua gama de produtos para uma nova série de produtos de alta qualidade e veículos de alto valor agregado.