Felipe Massa aguarda definição - Foto: Reprodução

Felipe Massa aguarda definição – Foto: Reprodução

O destino de Felipe Massa na Fórmula 1 ainda é incerto. Por seu histórico de doze anos na Ferrari, é de se esperar que algumas equipes tenham interesse no conhecimento adquirido pelo brasileiro em Maranello. Mas, numa categoria milionária, na qual, ultimamente, quem paga acelera e com as principais e mais poderosas equipes já terem seus cockpits ocupados, encontrar uma que ofereça condições de Massa reescrever sua própria trajetória na F1 são reduzidas. O mercado está pequeno, mas uma possível contratação na McLaren, Sauber e Lotus não devem ser descartadas.

 

A Ferrari declarou que tem carinho por Massa e a recíproca, a grosso modo, parece ser verdadeira. O fator ítalo-emocional, portanto, pode ser decisivo para a permanência do brasileiro na principal categoria do automobilismo mundial. Analisando por esse ângulo, a Sauber, que usa motores Ferrari é uma alternativa, isto é, se Nico Hülkenberg decidir trocar o time suíço por outro melhor estruturado financeiramente. Na competente Sauber, Massa tem condições de liderar o time já que Esteban Gutiérrez tem pouca experiência (12 corridas na F1), mas tem apoio financeiro do bilionário mexicano Carlos Slim, e a aposta da equipe no jovem russo de 18 anos Sergey Sirotkin, que traz consigo carretas de dinheiro, está garantido no time, mas tem um currículo de resultados fracos em outras categorias por onde passou, no caso, a Fórmula Renault 3500 e ainda precisa conseguir a superlicença da FIA (Federação Internacional de Automobilismo).

 

Na McLaren, existe a possibilidade de uma vaga se Sergio Pérez não renovar seu contrato, que expira no final desta temporada e nesta, apesar de o mexicano rechear o caixa da equipe com o patrocínio de Slim, deixou de mostrar serviço, como fez brilhantemente na Sauber. Historicamente, a McLaren produz carros eficientes, exceto o deste ano, que nasceu ruim, mas com o novo regulamento técnico, que entra em vigor em 2014, tudo pode mudar e Massa poderá contribuir, certamente, para o acerto do bólido.

 

 

Éric Boullier afirma que negocia com empresário de Massa, mas Hülkenberg está no páreo - Foto: Getty Images

Éric Boullier afirma que negocia com empresário de Massa, mas Hülkenberg está no páreo – Foto: Getty Images

Já a Lotus tem vaga e, aparentemente, conseguiu equilibrar a dívida de cerca de 120 milhões de euros (R$ 360 milhões) ao fechar um acordo com o grupo árabe Emaar Properties, que já entrou em vigor no fim de semana do GP da Itália, mas não conseguiu convencer que Kimi Räikkönen a permanecer no time na próxima temporada. Éric Boullier, chefe da equipe, declarou em entrevista à rádio francesa Monte Carlo que o empresário de Felipe Massa, Nicolas Todt, já entrou em contato com a equipe para negociar uma possível vaga no ano que vem. Se Massa não fechar acordo, o Brasil, pela primeira vez em 45 anos, não terá um representante na categoria.

 

“Massa está na nossa lista de pretendentes. O empresário dele (Nicolas Todt) já entrou em contato conosco e o de Nico Hülkenberg – hoje na Sauber – também”, confirmou Boullier. Na opinião de Boullier, a saída do campeão mundial pode ser um incentivo para Romain Grosjean, o outro piloto do time. “A saída de Räikkönen pode ser um trunfo para ele (Grosjean). Ele poderá mostrar que possui condições de ser o líder da equipe”, disse o dirigente, que também é empresário do franco-suíço.

 

Uma última e praticamente descartada oportunidade seria a Caterham, que em 2014 será empurrada por motores Ferrari. É neste cenário de probabilidades que Felipe Massa está. Exigente, se Todt não encontrar um time competitivo, o paulista pode deixar a categoria e o Brasil pode, vergonhosamente, por incompetência dos dirigentes do esporte a motor brasileiro, hoje voltado para corridas de carros de turismo, ficar sem um representante na F1, isto é, se Bernie Ecclestone não encontrar vaga para outro Felipe, o brasiliense Nasr.

 

 

Massa com Nicolas Todt caminham em busca de vaga -  Foto Reprodução

Massa com Nicolas Todt caminham em busca de vaga – Foto Reprodução

Prioridade – A Lotus será uma boa escolha para Massa seguir na F1. Nicolas Todt confirmou que já existe o interesse de outras equipes, mas a prioridade é encontrar um lugar que dê uma posição de destaque na F1. “O que está certo é que outras equipes estão interessadas em Felipe. Ele (Massa) nunca vai se sujeitar a correr por uma equipe pequena, então o que precisamos fazer é encontrar um carro que o permita ter um papel de destaque na F1”, disse o empresário em entrevista à emissora francesa Canal Plus.

 

Todt afirmou que a prioridade é negociar com a Lotus para Massa substituir Kimi Räikkönen, por considerar a equipe a melhor opção disponível no mercado. “Com certeza, a melhor equipe hoje, a com a vaga mais interessante, é aquela deixada por Räikkönen”, encerrou. Além do brasileiro, a equipe de Enstone também negocia com o valorizado Nico Hülkenberg para o próximo ano, o que, teoricamente, pode dificultar as negociações com o time.