Divulgação

 

O uso contínuo do veículo provoca desgaste natural, mas quando o condutor ouve ruídos ao contornar curvas, é bom ficar atento. As juntas homocinéticas e as juntas deslizantes são componentes que permitem a ligação entre a transmissão e a manga de eixo do veículo, transmitindo de forma constante o torque do motor às rodas. Esses componentes atuam em harmonia com os sistemas de direção e suspensão do veículo, uma vez que o torque precisa ser transmitido tanto em curvas e manobras, como também em elevações e depressões.

 

A principal dúvida que o mercado apresenta é sobre o item ter ou não o anel ABS. Algumas homocinéticas apresentam em seu corpo, um anel cheio de dentes que servem de leitura para o sistema ABS, onde através de sensores, são medidas as velocidades de cada roda, e a partir dessa leitura a central eletrônica do veículo pode agir nas frenagens (atuando com o ABS) e também para o controle de tração e estabilidade (atuando na tração do veículo).

 

Contudo existem também alguns carros em que esses anéis são alocados no próprio cubo de roda, não necessitando vir na junta homocinética, vale lembrar que isso não quer dizer que o veículo não tenha ABS, apenas quer dizer que esse anel cheio de dentes não vem no corpo do produto.

 

Outro ponto que gera dúvidas é sobre a presença de trava interna, trava central ou trava externa. Muitos clientes e mecânicos apenas compram a homocinética levando em conta o número de dentes internos e externos do produto, e esquecem de verificar a presença dessas travas, portanto, quando for efetuar a troca, verificar no semieixo e/ou na junta homocinética antiga a presença e localização das mesmas.

 

Desgaste – O desgaste das juntas homocinéticas pode ser observado através de um barulho de estalo vindo das rodas, especialmente quando o motorista esterça o veículo para um dos lados.

 

Hora da troca – Quando o assunto é a troca das juntas homocinéticas, vale lembrar que a coifa de proteção, os anéis de vedação e travamento (caso haja), as porcas e parafusos de fixação e as abraçadeiras também devem ser trocados, assim como a utilização da graxa adequada para a aplicação, e tudo isso com uma ressalva importante: sempre optar por peças novas e nunca recondicionadas. Essa troca pode variar de acordo com o manual do veículo, mas a Perfect Automotive recomenda a verificação do sistema de transmissão a cada 10.000km ou a cada 6 meses.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...