A FIA faz mudanças para salvar a pele da F1 - Reprodução

A FIA faz mudanças para salvar a pele da F1 – Reprodução

Tem coisas que a gente precisa de algum ou muito tempo para digerir antes de engolir. As mudanças para a próxima temporada do Mundial de F1 aprovadas pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo), segunda-feira (9), é bem isso. A entidade maior do automobilismo mundial aprovou e anunciou que o piloto vencedor da última corrida da temporada receberá o dobro de ponto. Ou seja, em vez de 25 ele levará 50 pontos. Fica a pergunta: para que isso se equipes e pilotos correm todas as provas em, teoricamente, pé de igualdade? Se essa for mais uma medida paliativa para melhorar a audiência será uma besteira sem nome. A F1 há tempos deixou de ser esporte. Ela é, sim, um negócio megamilionário cujos participantes (leia-se: equipes, FIA, FOM, pilotos e patrocinadores) estão mais interessados em aparecer do que fomentar o esporte a motor propriamente dito.

 

Dessa forma, o GP de Abu Dhabi de 2014, que acontece em 23 de novembro e encerrará a temporada, valerá o dobro das demais 18 corridas do ano. No novo sistema, uma vitória em Yas Marina em 2014 valerá 50 pontos. A ideia é que o campeonato só seja definido na última corrida do ano. Pode ser excesso de otimismo do órgão comandante do automobilismo mundial, mas, entretanto, não deixa de ser polêmico. O tetracampeão mundial de F1 Sebastian Vettel que o diga.

 

Sebastian Vettel criticou  repro

Sebastian Vettel criticou pontuação dobrada – Reprodução

O alemão da Red Bull criticou duramente a mudança nas regras da Fórmula 1, que estipula o dobro de pontos na última etapa do ano. O vencedor, por exemplo, receberá 50 pontos, contra 25 das outras 18 corridas. Soberano absoluto nas últimas quatro temporadas, Vettel disse que a alteração não é justa com o desempenho dos melhores pilotos ao longo da temporada.  “É absurdo e pune aqueles que trabalharam duro durante o ano inteiro. Imagine se na última rodada da Bundesliga (Campeonato Alemão de Futebol), de repente, o vencedor recebesse pontuação dupla”, criticou Vettel ao jornal alemão Bild. O australiano Daniel Ricciardo, que será companheiro de Vettel em 2014 fez coro ao companheiro de equipe. “Parece bem bizarro. Não sei quem inventou essa”, escreveu o piloto a um seguidor de seu perfil no Twitter.

 

Segundo Helmut Marko, conselheiro da Red Bull, a ideia original era conceder pontuação dupla nas últimas quatro corridas do ano – Rússia, Estados Unidos, Brasil e Abu Dhabi –, mas acabou rejeitada. De novo, a proposta é ridícula e aparentemente tem como alvo o domínio absoluto de Vettel e da Red Bull, que nas últimas quatro temporadas estiveram tão acima da concorrência que remete, naturalmente, ao domínio de Michael Schumacher e da Ferrari, o que fez a principal categoria do automobilismo mundial perder audiência dos telespectadores, aborrecidos por conhecerem o resultado da corrida antes mesmo da largada, e, por consequência, perda de receita televisiva.

 

Outra mudança diz respeito numeração permanente para os pilotos, que passa a valer desde agora, já que na última semana, em reunião do Conselho Mundial da entidade, ficou definido que o Grupo Estratégico teria poder suficiente para isso. Segundo o comunicado da FIA, as novidades tiveram aprovação por unanimidade.

 

A mudança que entra em vigor no próximo ano é que os pilotos terão de escolher um número para usar durante toda sua carreira no Mundial de F-1, menos o número 1 reservado para o campeão, caso ele queira usá-lo no ano seguinte ao título. De acordo com a FIA, caso dois pilotos escolham o mesmo número, terá prioridade aquele que teve melhor classificação no Mundial anterior.

 

Os pilotos poderão escolher do 2 ao 99. Contudo, seria bacana se a entidade forçasse as equipes, também, a colocarem o numeral do piloto de forma que o público possa identificar o corredor já que alguns, como o tetracampeão Sebastian Vettel, trocam a pintura do capacete a cada etapa, seguindo a prática fomentada por Valentino Rossi.

 

FIA garantiu 3 dias de testes no Bahrein - Divulgação

FIA garantiu 3 dias de testes no Bahrein – Divulgação

Testes – A FIA também divulgou que a Pirelli foi liberada para realizar três dias de testes no Bahrein, de 17 a 19 deste mês. Segundo a entidade, a liberação se deve à mudança nas regras para o ano que vem e todas as equipes foram convidadas a participar.

 

Ainda no encontro do Grupo Estratégico, realizado dia (8),em Paris, ficou definido que um teto global será adotado na categoria a partir de janeiro de 2015. A definição do valor, no entanto, acontecerá após um encontro entre FIA, representantes de Bernie Ecclestone, detentor dos direitos comerciais da F-1 e representantes das equipes. Não sei por que esse assunto tem ranço de déjà vu e não deu muito certo, porque o negócio F1 movimenta milhares de carretas de dinheiro e ninguém está lá para fechar o ano no prejuízo. Então é esperar para ver!