Kevin Magnussen levou a McLaren MP4-29 ao topo - Sutton Images

Kevin Magnussen levou a McLaren MP4-29 ao topo – Sutton Images

O primeiro dia da segunda rodada de treinos da pré-temporada da Fórmula 1 começou preguiçoso por causa do atraso dos fiscais de pista no circuito de Sakhir, no Bahrein, mas terminou com o novato Kevin Magnussen (McLaren-Mercedes) no topo da tabela de tempos com a melhor volta em 1min39s224, 0s240 mais rápido que Lewis Hamilton (Mercedes), que, ao que tudo indica, girou interessado em conferir a confiabilidade do W05. Nico Hülkenberg (Force India-Mercedes) fechou o Top-3 com o tempo de 1min39s923, demostrando que quem é empurrado por motores germânicos está, em tese, com ligeira vantagem.

 

A manhã em Sakhir começou um atraso de 30 minutos por causa de uma confusão para definir o número de fiscais na pista. A situação foi contornada e os carros foram para a pista, menos os da atual campeã mundial Red Bull e da coirmã Toro Rosso, como no início do mês em Jerez de la Frontera, na Espanha. O brasileiro Felipe Massa, responsável pelos testes com a Williams nesta quarta, limitou-se a completar voltas de instalação na Williams FW36.

 

Grosjean foi o último na tabela de tempos - Sutton Images

Grosjean foi o último na tabela de tempos – Sutton Images

Como foi – Depois do atraso, Romain Grosjean guiou finalmente o novo e controverso E22 da Lotus. Isto porque a equipe não compareceu nos testes na Espanha, seguido de Nico Hülkenberg, Magnussen, Hamilton, Adrian Sutil e Fernando Alonso. O motor da F14T do espanhol fumou ainda nos boxes, o que levou o piloto a parar na pista e causar a primeira bandeira vermelha da sessão, mas por pouco tempo. Alonso conseguiu levar o carro de volta aos boxes, onde, possivelmente, deve ter reclamado um bocado.

 

Enquanto, na pista, Felipe Massa percorria suas primeiras voltas de instalação, Hamilton descia a bota para marcar tempo, seguido de Adrian Sutil (Sauber-Ferrari) e Alonso. Os tempos, entretanto, não foram lá essas coisas. O trio virava tempos na casa de 1min48s. O piloto da Ferrari, trabalhando na aerodinâmica, carregava enormes sensores na lateral esquerda do modelo italiano, sinal que a F14T precisa de ajuste de sintonia fina antes de alinhar no GP da Austrália.

 

Lewis Hamilton girou com sensores de aerodinâmica e terminou em segundo - Sutton Images

Lewis Hamilton girou com sensores de aerodinâmica e terminou em segundo – Sutton Images

No topo da tabela de tempos e sem parecer ter problemas, Hamilton parou o cronômetro com 1min41s750 seguido por Magnussen, enquanto os boxes da Red Bull e também da Toro Rosso, que permaneciam fechados, possivelmente, na tentativa resolver os problemas em seus carros. Indiferente a tudo, Magnussen esperou até pouco antes da pausa do almoço para virar 1min39s224, o mais rápido da manhã. Hamilton, que tinha virado em 1min39s464, teve de se contentar com o segundo melhor tempo. Boa surpresa, Hülkenberg virou na casa de 1min39s.

 

Fernando Alonso viu o motor da Ferrari F14T fumar, parou na pista e terminou a manhã em quarto - Sutton Images

A Ferrari F14T de Alonso fumou, parou na pista e terminou em quarto – Sutton Images

Com um buraco de quase 2s, Alonso ficou mesmo em quarto, com 1min41s115, acompanhado por Adrian Sutil, o quinto, à frente de Robin Frijns, que teve ótimo início de dia com Caterham, completando 26 voltas. Romain Grosjean, com sete giros, ficou em sétimo. Massa, da Williams, e Jules Bianchi, da Marussia, não marcaram tempo.