Divulgação

Os engenheiros e projetistas brasileiros sempre se destacaram em programas de desenvolvimento de veículos automotores e ajudaram muito no desenvolvimento desses produtos para serem mais econômicos, seguros, com melhor desempenho e menos poluentes.

Alguns desses profissionais conquistaram projeção internacional e importantes prêmios que revelaram o seu valor e importância para a evolução da indústria automotiva brasileira.

Um desses destacados profissionais é Fernando Barata de Paula Pinto, duas vezes vencedor do tradicional Prêmio Henry Ford. Uma pelo desenvolvimento do motor a álcool e na outra pelo desenvolvimento da liga de alumínio do cabeçote do motor Zetec Rocam.

O mineiro Fernando Barata de Paula Pinto, engenheiro mecânico da Ford brasileira, formado pela Universidade Federal de Minas Gerais, tornou-se, na época, o único funcionário da empresa em todo o mundo a receber, por duas vezes, o prêmio Henry Ford instituído para reconhecer contribuições inéditas e importantes que resultam no desenvolvimento dos veículos e proporcionam clientes mais satisfeitos e maior fidelização à marca.A conquista do primeiro prêmio Henry Ford pela equipe de Fernando Barata ocorreu em dezembro de 1981. Foi o desenvolvimento do motor CHT para o uso do álcool como combustível no início do Programa Nacional do Álcool.

Inicialmente o álcool trazia sérios problemas de funcionamento para os motores, principalmente nas manhãs e em dias de baixa temperatura, além de corroer os materiais até então utilizados em vários sistemas dos veículos.

Essa dificuldade motivou a equipe a analisar os danos que o álcool provocava às peças em toda a linha de combustível, desde o bocal de abastecimento do tanque até o sistema de escapamento, envolvendo mais de 400 itens, o que exigiu a mudança da composição química e da proteção superficial de muitos componentes.

Para eliminar o problema de partida a frio, principalmente em dias de baixa temperatura ambiente, os engenheiros utilizaram uma taxa de compressão muito elevada combinada com uma configuração de aquecimento ultrarrápido do coletor de admissão.

Além de beneficiar a Ford e os proprietários do automóvel, livrando-os das dificuldades de funcionamento, o projeto fez do Corcel o carro a álcool mais econômico do mercado, o transformou, na época, no mais vendido do País e serviu de inspiração e receita para as outras fábricas, favorecendo todo o mercado brasileiro.O segundo prêmio foi atribuído à equipe pelo desenvolvimento de uma nova, inédita e patenteada liga de alumínio com outros metais que resultou em vantagens técnicas e econômicas.

Divulgação

A equipe de Fernando Barata também projetou e implementou a fabricação da linha de motores Zetec Rocam, produzida na fábrica da Ford de Taubaté, a partir de outubro de 2000, envolvendo o motor, com novas tecnologias e materiais, e a completa modernização da fábrica, com a instalação de novas máquinas e processos de produção. Uma nova fábrica e um novo motor, em programas simultâneos.

Completamente novos, os motores Zetec Rocam substituíram os propulsores CHT anteriores, com a difícil missão de competirem com uma série de automóveis concorrentes.

Para enfrentar a concorrência, os motores Zetec Rocam tinham a vantagem de trabalhar em faixa de rotação menor, o que garantia saídas mais rápidas, melhor resposta em situações de retomada e, principalmente, em subidas e lombadas, contribuindo para a economia de combustível, redução de emissões e ruídos, funcionamento sem trancos ou engasgos.

A solenidade de entrega dos prêmios foi realizada no salão nobre da sede da Ford mundial, em Dearborn, junto de Detroit, com a participação de toda a diretoria e dos departamentos envolvidos. Tradicionalmente, uma grande festa com a presença do presidente mundial da empresa.

Ford Ka – Divulgação

Fernando Barata de Paula Pinto lembra que, acompanhado de sua esposa, Maria Cecília, adentrou ao salão preocupado por não haver nenhum recepcionista e nenhuma indicação de onde deveriam se acomodar mas, ao solicitar informações a um dos responsáveis, foram conduzidos à mesa principal da solenidade onde sentaram ao lado de Jac Nasser, presidente mundial da Ford e do presidente da International Navistar, grande fabricante de caminhões e motores dos Estados Unidos.

O auge da festa foi a solenidade de entrega do prêmio Henry Ford, comandada por Jac Nasser, que constou de um troféu e elogios ao trabalho de Fernando Barata de Paula Pinto e de sua equipe. No ato final, o presidente mundial da Ford revelou que a nova liga de alumínio, idealizada pela equipe de engenheiros da Ford e devidamente patenteada no INPI tinha o potencial global de uma economia à empresa de 40 milhões de dólares anuais com a produção de peças e componentes para os veículos da empresa fabricados em todo o mundo. Ouça essa e outros histórias no podcast Muito Além de Rodas e Motores.