Marcos Galassi no anuncia o lançamento oficial da Fórmula Inter - Divulgação

Marcos Galassi  anuncia o lançamento oficial da Fórmula Inter – Divulgação

Nascimento em 3, 2, 1… Foi lançada oficialmente nesta quinta-feira (13) aquela que pretende ser mais que apenas uma nova categoria do automobilismo nacional, a Fórmula Inter (uma homenagem ao decano Autódromo de Interlagos). Ela, de fato, chega para revolucionar. Quando falo em revolução, entenda, é porque ela envolve todo um novo conceito, que começa na forma como será administrada, seja incubadora e Academia de Pilotos, passando pelo gerenciamento de carreira, relacionamento com a mídia e, finalmente o carro, 95% produzido no Brasil por brasileiros muito bem capacitados e artesanalmente. Gerada por uma trupe, capitaneada pelo ex piloto e empresário Marcos Galassi, o piloto e engenheiro mecânico  Cláudio Comendador Ceregatti, a Fórmula Inter vem ao mundo das competições para promover uma revisão completa nos conceitos de profissionalização.

 

Sua gestação levou 18 meses, exigiu mais de 920 horas de túnel de vento, para assegurar seu desenvolvimento no mais alto nível de saúde e um batalhão de profissionais envolvidos. Do sonho à realidade, a Fórmula Inter recebeu tratamento de princesa para no futuro, quem sabe, ser rainha. Para isso, mesmo antes do nascimento ela teve seu futuro traçado, seu corpo todo trabalhado dentro dos mais altos padrões internacionais de segurança, através de um cordão umbilical formado por engenheiros, mecânicos, desenhistas, entre outros, tudo para unir satisfação e segurança aos pilotos.

 

Modelo de negócio tem como base o automobilismo estadosunidense - Divulgação

Modelo de negócio tem como base o automobilismo estadosunidense – Divulgação

Desvendada primeiramente para a Imprensa, a cerimônia não poderia ter melhor trilha sonora do que o berro estridente do motor 2.0 litros quatro cilindros turbo, que produz cerca de 200 cv de potência, 20 Kgfm de torque (dependendo da configuração), movido a etanol e dimensões do chassi muito próximas de um Fórmula 1. Mais especificamente, a F-Inter mede 4,32 metros (a F-1 e Indy 4,8 metros), 1,80 metro de largura, 2,46 metros de entre eixos, 1 metro de altura e peso de 520 quilos (seco). O uso da fibra de carbono é amplo, mas nem por isso encareceu o projeto. Pelo contrário, barateou o custo final, fazendo-o acessível para quem quer plantar seu nome no automobilismo de competição sem precisar sair do país.

 

A preocupação com segurança está no topo da pauta. A cabine do piloto foi projetada para garantir ao máximo a vida do piloto sem prejuízo da satisfação. Em caso de acidente, o banco vira uma maca. Esse procedimento é usado na Fórmula Indy, categoria cuja velocidade é significativamente maior que a da F-Inter. Mas com custo menor.

 

A F-Inter chega com o propósito de ser a principal porta de entrada no automobilismo para quem quer sair do kart. Ela será uma categoria de base a um custo semelhante ao de kart categoria Graduados. Para um piloto pela porta da frente no automobilismo profissional não basta ser bom de braço. É preciso ter na retaguarda dentro e fora das pistas. Para isso, um valoroso, e por que não dizer obstinado time de gente do ramo, que conhece visceralmente o que é e como fazer automobilismo de competição, é fundamental. A Fórmula Inter tem tudo isso e muito mais, a começar pelo carro foi projetado e construído por brasileiros, com as mais avançadas tecnologias para projeto, estudos aerodinâmicos e construção, e atende às principais normas mundiais de segurança. Algo inédito no Brasil, e adequado ao momento do econômico restritivo.

 

A Fórmula Inter vai se colocar como uma academia de formação de pilotos profissionais, que saem do kart ou da Fórmula Vee/Fórmula 1600, preparando-os para seguirem em modalidades mais rápidas no Brasil, com a F-3, ou no exterior, com a F-4, F-Renault, F-2000, entre outras. O reitor desta Academia será o ex-piloto de Fórmula 1 e Fórmula Indy Roberto Pupo Moreno e patrono Chico Lameirão com larga experiência nas pistas.

 

Pretende também abrigar aqueles que pretendem se profissionalizar regionalmente, e os praticantes do automobilismo como um hobby emocionante e seguro, tenham 15 ou até 65 anos de idade. A Fórmula Inter será também a primeira categoria brasileira de monopostos com a proposta de integrar esporte a entretenimento e mídia com a criação de uma plataforma completa para ativação de negócios, relacionamento e até treinamento de equipe de funcionários de vários níveis, transmitindo o espírito de coesão, colaboração, motivação, superação, entre outros. Segundo Galassi, a primeira delas é a parceria com o site Grande Prêmio, que terá um espaço exclusivo destinado à produção de material jornalístico relacionado ao automobilismo, mas não necessariamente sobre a Fórmula Inter.

 

O carro tem dimensões e silhueta bem semelhantes ao de um F-Indy - Divulgação

O carro tem dimensões e silhueta bem semelhantes ao de um F-Indy – Divulgação

 

Incubadora – Através do Programa de Desenvolvimento de Pilotos, a Incubadora F.Inter é a porta de entrada para muitos que desejam se tornar pilotos e profissionais mas não tem acesso, seja as informações necessárias, nem aos recursos financeiros para entrar ou permanecer no automobilismo. A Incubadora é uma forma de possibilitar quem não está com dinheiro caindo do bolso se tornar um piloto profissional de competição, agregando, além das facilidades financeiras relacionadas à sua participação, uma série de disciplinas que o ajudará a manter-se como profissional do automobilismo. Resumindo, o piloto vira um empreendedor e aprende a lidar com as regras do mercado e obter lucro.

 

As parcerias garantem a autossustentação da categoria, que nasce paulistana, mas tem tudo para crescer e ganhar novas praças - Reprodução

As parcerias garantirão a autossustentação financeira da categoria – Reprodução

Academia de Pilotos – A equipe de criação e de desenvolvimento da Fórmula Inter criou uma academia na qual os futuros pilotos recebem orientação, através de dez disciplinas as quais: aulas de Marketing, Vendas, Relações Públicas, Mecânica, Mídia Training, entre outras, e também terão todo o suporte da área comercial da Fórmula Inter, com acesso a todo o material comercial para a venda de patrocínio e suporte nas reuniões de vendas. “Os carros serão sorteados a cada etapa, para garantir que não haverá disputa restrita a um ou dois pilotos (a exemplo do que acontece na desastrosa Fórmula 1), e sim igualdade de condições para o grid inteiro. Ou seja, um piloto que larga em último pode chegar em primeiro, dependendo de sua habilidade”, afirma, categórico, Galassi.

 

Parceria fechada com uma empresa de simuladores permitirá ao corpo técnico identificar onde e como o piloto e o carro poderão ser desenvolvidos, através de dados de telemetria. Isso jamais foi usado até agora nas diferentes categorias nacionais.

 

A Incubadora Fórmula Inter vai medir regularmente a capacidade de cada candidato. Todos os quesitos das participações serão avaliados, com os incubados recebendo pontos, desde o vídeo inicial. A interação nas mídias sociais também será avaliada, com pontuação por fãs captados na Fan Page dentro do site da F-Inter.

 

Os cinco que atingirem as maiores pontuações após todo o processo de aprendizado concorrerão a uma segunda corrida, totalmente gratuita, através de votação no Facebook da Fórmula Inter. Quem obter a maior pontuação ao final da primeira turma da Incubadora Fórmula Inter ganhará a temporada de 2017 gratuitamente. Quem quiser participar das aulas como avulso terá de desembolsar R$ 1.149,00 por mês.

 

Outras ações midiáticas também estão no pacote, como a criação de um Reality Show em emissora de televisão a cabo, ações promocionais pela internet e outra de engajamento direto com o público, de forma a aproximá-lo do universo da velocidade, o Fórmula na Praça. “A ideia é permitir que o público tenha contato direto com o carro”, explica Galassi. A sacada é genial uma vez que promove, indiretamente, o chamado marketing de boca a boca, difundindo, assim, a categoria, e porque não dizer, criando ídolos algo que ficou esquecido desde a morte de Ayrton Senna, em 1995.

Produção nacional e preço fixo por prova não significam menos esmero na fabricação do carro, mas garantia de sobrevivência da categoria - Reprodução

Produção nacional esmerada, preço fixo por prova e aplicação de multimídia são garantia de sobrevivência da categoria  Reprodução

 

Baixo custo – Levando-se em consideração que uma prova de kart na categoria Graduados custa, em média, R$ 15 mil, a de F-Inter é mais em conta – R$ 13.990,00 – e terá mais visibilidade na mídia será um bom negócio. A frota de carros, como já disse, pertence à organização, mas as áreas externas do carro poderão ser negociadas com a inserção dos nomes dos patrocinadores de cada piloto na carroceria. Quanto maior for o número de patrocinadores melhor para o piloto, que arcará apenas com o custo de aluguel do carro mais taxa de inscrição paga para a Fasp (Federação de Automobilismo de São Paulo). O que sobrar é dele. Aí está o sentido de profissionalização.

 

O Campeonato Paulista de Fórmula Inter começa oficialmente em 2016 com onze etapas. Galassi não arriscou apontar o número de voltas e nem em quantas baterias serão disputadas. “Vamos dar início aos trabalhos de pista para aferirmos o índice de consumo de combustível do motor e, a partir desse e outros dados, formatarmos a corrida. O carro vem equipado com dois bocais de reabastecimento, o que indica que teremos pelo menos uma parada nos boxes em cada etapa”, disse. O regulamento técnico ainda não está fechado. Ainda sobre inovação, a F-Inter vai inaugurar outro tipo de disputa, o de endurance (provas de longa duração).

 

Como um negócio, os promotores não oferecerão seguro do carro. Isso significa que se o piloto sentar a bota e beijar um muro terá de arcar com o prejuízo, que pode ser reduzido do orçamento que conseguir. “Uma asa traseira da F-Inter custa cerca de R$ 2,5 mil contra R$ 4 mil de outras categorias. Esse valor é possível porque a fabricação é própria, assim como os demais componentes do carro”, finalizou Galassi. E aí, pé de chumbo, vai encarar?

 

FICHA TÉCNICA – FÓMULA INTER

Monoposto: F-Inter MG-15
Construtor: Minelli Racing
Chassis: Construção tubular semi-monocoque, crash box frontal removível e side pods laterais estruturais em plano inclinado
Suspensão dianteira: ‘push rod’ mono shock, triangulo superior e inferior com uniballs e rótulas Aurora espec Race e barra estabilizadora.
Suspensão traseira: ‘push rod’ bishock, triangulo superior e inferior com uniballs e rótulas Aurora espec Race e barra estabilizadora.
Amortecedores e molas: Com bump e rebound fixos, molas com carga variável.
Freios: 4 discos ventilados, calipers espec race de 4 embolos, distribuição de carga dianteira e traseira regulável no cockpit.
Mangas de eixo: em magnésio com cubo rápido.
Rodas: Fabricação própria em magnésio, aro 13, tala 8″ dianteira e 11″ traseira
Pneus: Pirelli PZero Slick – 225/40 VR13 dianteiros e 265/540 VR13 traseiros
Caixa de Direção: Minelli Racing
Tanque de combustível: de borracha, capacidade 30 litros
Pintura: Sherwin Williams à base d’água
Habitáculo: em fibra de carbono, extrator de banco 
Banco de segurança: em fibra de carbono, removível
Anel de segurança: Protetor de cabeça em material compósito
Volante: Fibra de carbono com sistema de retirada rápida e painel eletrônico embutido
Carenagem: Fibra de vidro em vacuum bag, 8 peças
Aerofólio: Fibra de carbono, com 1.000mm regulável de 0 a 11 graus.
Asa: Fibra de carbono, com 1.800mm externo fixo em 11 graus 
Flaps: em fibra de carbono, dianteiro 4 unidades reguláveis de O a 35 graus, traseiro com 1.000mm regulável de 0 a 35 graus.
Extrator Traseiro: em fibra de vidro, fixo
Dimensões: 
Comprimento total: 4.320mm
Largura total: 1.800mm
Altura máxima: 1.000mm
Entre eixos: 2.465mm
Bitola dianteira externa aos pneus: 1.800mm
Bitola traseira externa aos pneus: 1.750mm. 
Peso: 520 kg sem combustível.

Motor: 2 litros, 4 cilindros em linha, 16válvulas
Coletor de admissão e escape: Minelli Racing
Refrigeração: 2 radiadores laterais de alumínio para água
Sistema de Gerenciamento Eletrônico: Pro Tune Eletronic Systems
Potência: 191 hp a 6000 rpm
Torque: 21 kgfm a 6000 rpm
Câmbio: 4 marchas em H