Divulgação

No Brasil o furto e o roubo de cargas e mudanças vêm aumentando a cada ano e preocupando as autoridades. Segundo levantamento da Associação Nacional do Transporte de Cargas & Logística (NTC), o roubo de carga teve alta de 42% no Brasil nos últimos quatro anos. Os roubos acontecem principalmente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, detendo estas regiões 81% de todas as ocorrências. Na lista dos dez países com maior índice de roubo de cargas, o Brasil ocupa a sexta posição como o país mais perigoso. Veja abaixo o ranking de países com maior índice de roubo de cargas:

 

Síria – 5,4

 

Líbia – 5,4

 

Iêmen – 5,4

 

Afeganistão – 4,6

 

Sudão do Sul – 4,2

 

Brasil – 3,6

 

Iraque – 3,6

 

Somália – 3,6

 

República Centro-Africana – 3,6

 

República do Mali – 3,6

 

Nos últimos anos falsas empresas de mudanças têm oferecido serviços de transporte na internet com o fim de roubar a carga. Diante deste quadro é muito importante ter atenção redobrada ao contratar uma empresa de mudanças. Fazer mudança com carreteiros autônomos se tornou perigoso, correndo-se o risco de cair em um golpe e ter todos os seus pertences roubados. Ao pesquisar por empresas de mudanças na web é importante verificar se as empresas são idôneas. Uma maneira rápida de fazer esta pesquisa é consultar o portal Mudanças Econômicas. O portal cadastra empresas de mudanças registradas e certificadas de todo Brasil. Através dele o usuário consegue cotar preços de mudanças entre várias empresas que tiveram os seus dados checados pelo portal. Os dados verificados são: CNPJ, nome e CPF do proprietário e endereço físico.

 

“Recomendamos sempre fazer a mudança com uma empresa que tenha CNPJ, instalações comercias e seja conhecida no mercado. No nosso portal todas as transportadoras preenchem a estes e outros requisitos”, diz o responsável pelo portal, Wagner Cunha.

 

“Os seguros de mudanças estão sendo cada vez mais comuns, mas é importante que ao contratar o seguro o consumidor liste detalhadamente os bens a serem transportados e seus respectivos valores visto que o seguro só irá ressarcir apenas o que está no inventário em caso de roubo, furto ou acidente”, acrescenta Cunha.