A1Ring, agora Red Bull Ring, será o palco da prova - Getty Images

A1Ring, agora Red Bull Ring, será o palco da prova – Getty Images

O GP da Áustria deve retornar à F1 a partir da temporada 2014 no remodelado Red Bull Ring, onde antes era a antiga A1 Ring, cujas instalações foram totalmente reformadas pela Red Bull de Dietrich Mateschitz. A pista em si parece algo familiar e, para alguns, sem graça. O fato é que o dono da fábrica de energéticos conseguiu convencer a raposa velha Bernie Ecclestone a incluir a etapa no calendário. Nada que cause estranheza já que o “bullmoney” provoca sorrisos nos lábios do nanico, dono da principal categoria do automobilismo mundial, e quem convenceu o britânico encrencado na justiça alemã e nada menos que o dono da equipe tricampeã mundial.

 

Segundo informação veiculada no site da revista Autosport, o acordo entre circuito e categoria foi fechado no último dia 6. A assessoria de imprensa da Red Bull distribuiu aos meios de comunicação austríacos um comunicado na manhã de terça-feira (23) confirmando o acerto com Bernie Ecclestone. Desde que concluiu a reforma no autódromo, Mateschitz não esconde de ninguém o desejo de levar a F1 de volta à Áustria. Um acordo foi tentado para 2013, sem sucesso. A ideia era substituir o GP de Nova Jersey, que estava no calendário inicial para a atual temporada, mas caiu em desgraça por falta de condições financeiras. A troca de última hora, portanto, foi rejeitada. Mas nem, por enquanto, é definitivo.

 

O retorno da etapa austríaca já para 2014 está condicionada à uma aprovação da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) no final deste ano, quando o Conselho Mundial definirá oficialmente o calendário para a 2014. Vale lembrar, que a Áustria abrigou corridas da categoria, em Zeltweg, desde os anos 1960 e, nos anos 2000, no circuito A1Ring, ficou marcado pela, talvez, maior vaia já ouvida na F1, quando Rubens Barrichello – líder da prova –, então piloto da Ferrari, recebeu ordens dos boxes para deixar Michael Schumacher o ultrapassar, o que acabou acontecendo a poucos metros da linha de chegada. No pódio, o desconsolo do brasileiro recebeu apoio do alemão. O vexame da equipe de Maranello (veja aqui) – mais um, diga-se – gerou polêmica pelo mundo afora, evidentemente. E, para os brasileiros, aquele Dia das Mães, não será esquecido. O narrador da TV Globo Cléber Machado, antecipou o que poderia, como de fato aconteceu com “hoje não, hoje não… Hoje sim!”, selando, assim, a tramoia da equipe do cavalinho rampante.

 

 

Red Bull Ring foi todo repaginado, mas sem o dedo de Herman Tilke- Foto: Reprodução

Red Bull Ring foi todo repaginado, mas sem o dedo de Herman Tilke- Foto: Reprodução

O primeiro GP da Áustria foi vencida por Lorenzo Bandini, em 1964, na extinta pista de Zeltweg. De 1970 a 1987, a F1 correu no Österreichring, em um traçado de quase 6 km de extensão. O circuito foi, então, remodelado no fim dos anos 80. Menor, com 4,323 km, e rebatizado de A1 Ring, a pista voltaria a receber a F1 dez anos depois, em 1997, e permaneceria até 2003, quando foi disputado o último GP da Áustria. O motivo do abandono, a velhice. A alegação da F1, à época, era falta de uma estrutura apropriada nas proximidades de um autódromo veloz e adorado pela maioria dos pilotos. Agora, com o ressurgimento do Red Bull Ring sobre os escombros do A1 Ring e com a consequente ampliação da rede hoteleira da região de Spielberg, o retorno do país ao calendário foi viabilizado.

 

Com as entradas do GP da Rússia, em Sochi, e do GP de Nova Jersey, nos EUA, e o não-cancelamento de nenhuma das etapas do calendário atual, a F1 pode ter 22 corridas em 2014. Se confirmado, será a temporada mais longa da história da categoria. A ótima e curta pista de Red Bull Ring, tende a fazer dobradinha no ano que vem ou com a Alemanha (Hockenheim) ou com a Hungria.